B3, AT2 – Refletindo a Modernidade

Esta atividade tem como objetivo encerrar o tema “Modernidade”. Para isso, reproduzimos logo abaixo uma citação de Karl Marx, um dos principais autores modernistas do século XIX, e um quadro de Tarsila do Amaral, uma das mais importantes pintoras brasileira do Movimento Modernista. Os alunos deverão refletir sobre a citação e o quadro para, em seguida, responderem a questão proposta:

1. Citação:

Ao invés das antigas necessidades, satisfeitas pelos produtos nacionais, surgem novas demandas, que reclamam para sua satisfação os produtos de regiões mais longínquas e de climas os mais diversos. No lugar do antigo isolamento de regiões e nações auto-suficientes, desenvolvem-se um intercambio universal e uma universal interdependência das nações. E isto se refere tanto à produção material como à produção intelectual. As criações intelectuais de uma nação tornam-se patrimônio comum. A estreiteza e a unilateralidade nacionais tornam-se cada vez mais impossíveis; das numerosas literaturas nacionais e locais nasce uma literatura universal.

Com o rápido aperfeiçoamento dos instrumentos de produção e o constante progresso dos meios de comunicação, a burguesia arrasta para a torrente da civilização todas as nações, até mesmo as mais bárbaras. Os baixos preços de seus produtos são a artilharia pesada que destrói todas as muralhas da China e obriga à capitulação os bárbaros mais tenazmente hostis aos estrangeiros. Sob pena de ruína total, ela obriga todas as nações a adotarem o modo burguês de produção, constrange-as a abraçar a chamada civilização, isto é, a se tornarem burguesas. Em uma palavra, cria um mundo à sua imagem e semelhança. (Karl Marx, Manifesto Comunista de 1848, grifo nosso)

2. Quadro – “Operários” (1933) de Tarsila do Amaral

Questão:

Levando-se em consideração os debates que realizamos em sala de aula e os textos postados neste Blog, relacione a citação de Karl Marx com o quadro de Tarsila do Amaral. Não deixe de considerar os diferentes contextos dos autores e tente perceber o que há de comum entre a citação e o quadro em relação a Modernidade.

Recomenda-se uma pesquisa sobre o Movimento Modernista brasileira antes de responder esta questão.

* * *

Período para realização desta atividade: 13/03 a 23/03

Competências e Habilidades avaliadas nesta atividade: Relacionamento de ideias e Construção de conceitos (clique aqui caso tenha dúvidas e leia o item 5)

About these ads
Esta entrada foi publicada em BENTÃO 3 com as etiquetas , , , , , , . ligação permanente.

154 respostas a B3, AT2 – Refletindo a Modernidade

  1. Luis Philipe Ferreira Ramos Nº22 3º C BENTO QUIRINO diz:

    Quando Marx diz na citação ”Ao invés das antigas necessidades, satisfeitas pelos produtos nacionais, surgem novas demandas, que reclamam para sua satisfação os produtos de regiões mais longínquas e de climas os mais diversos” marx se refere a produtos importados que sao feito para atender os mercados nacionais e internacionas , com isso tambem se refere as industrias que produzem esses produtos , o quadro de tarsilia do amaral ”operarios” expressa empregados de uma fabrica porem de diferentes etinias numa fabrica que apresenta pradrões do modernismo que é por exemplos as chamines lineares essa fabrica pode se comparar com a citação de marx pois ela não ira atingir apenas o mercado nacional com o internacional sendo uma fabrica moderna com comercio pro exterior sendo uma das novidades do modernismo

  2. Fernando B. da Silva, Nº 32 - 3ºF diz:

    Marx critica o capitalismo dizendo que muitas pessoas, independentemente de serem da mesma etnia ou não, são obrigadas a sairem do campo rural onde estas trabalham apenas para consumo próprio e vão para a cidade, para as grandes indústrias que fabricam em massa. E isso é retratado na obra de Tarsila do Amaral, onde podemos notar várias pessoas de difentes etnias em um ambiente indústrial, ao fundo podemos notar uma fábrica, onde provavelmente essas pessoas trabalham

  3. Bruno Henrique Galerani, Nº3, 3º Ano D diz:

    Karl Marx diz que não existe mais a necessidade pelos produtos nacionais, que existe agora uma nova demanda, na qual o povo necessita de produtos de outras regiões para sua satisfação. Ele também comenta que antigamente havia um isolamento de regiões e nações auto-suficiente, que se transformaram e desenvolveram uma certa dependência de outras nações, tanto na produção material quanto na intelectual. Marx também fala sobre a rápida evolução dos instrumentos de produção e dos meios de comunicação que essa junção de povos originou. Ele mostra que com isso a burguesia arrasta até mesmo os mais bárbaros para a “torrente da civilização” e faz com que todas as nações “abracem” a civilização. Podemos relacionar isso com o quadro “Operários” de Tarsila do Amaral, pois nele são retratadas diversas pessoas de diferentes nações e etnias, demonstrando a necessidade de um intercâmbio universal, a quebra do antigo conceito de nacionalismo e o grande fluxo de imigrantes. A Fábrica, vista no fundo da imagem, representa a Revolução Industrial, a evolução da produção e demonstra que o Brasil deixou de ser um mero país agro-exportador e passou a ser industrializado.

  4. Gabriel n°10 3° D diz:

    Tarsila do Amaral mostra em seu quadro a mistura de muitos povos e raças na cidade, isto ocorreu devido a industrialização que forçou os moradores do campo a irem para a cidade trabalharem na indústria. Para Marx o capitalismo força todos a participarem dele, os que não “entram na dança” são excluidos e ficam para trás, por isto a esta grande mistura de povos na cidade, porque todos são forçados a viver num mundo capitalista

  5. Lucas Alves Ferreira Nº21 3ºE diz:

    O modernismo, retratado pela citação de Marx e a obra “Operários” de Tarcila do Amaral, se refletem a uma nova estrutura mundial, onde o modo Burguês arrasta todas as nações, até as mais isoladas a fazerem parte de sua ideologia. Essa ideologia, essêncialmente econômica, mas que une as mais diversas culturas lideradas agora pela razão e ciência, se tornou uma corrente que não diferencia os indivíduos por etnia, sexo e idade. Essa ideologia criou uma nova maneira de viver, onde o dinheiro e status são os únicos objetivos de qualquer indivíduo. Alguns pensam que ela uniu as pessoas, entretanto ela criou a desigualdade social, onde os menos abastados se tornam súditos de seu imperialismo ecômico.

  6. Lucas Kajihara - nº20, 3ºC, Bentão diz:

    Embora tenham vivenciado contextos históricos diferentes, ambos Tarsila do Amaral e Karl Marx conseguiram demonstrar, através de suas obras, a mudança radical na estrutura política proporcionada pelo Modernismo.
    Pelo quadro “Operários”, de Tarsila, nota-se a pluralidade social e cultural que foi se desenvolvendo nas cidades devido à alta industrialização. Mesmo com essas diferenças étnicas, sexuais e de faixa etária, todos os trabalhadores pintados na obra expressam em suas faces um descontentamento, uma falta de vigor. Segundo a citação de Marx, pode-se analisar que esse estado emotivo se dá pela condição de vida do proletariado imposta a eles pela burguesia, onde vivem numa condição de exploração da força de trabalho. Através desse abuso, visam a produção excessiva, o lucro, utilizando-se de qualquer extremos que sejam necessários para alcançá-los.

  7. Valéria P. Souza nº33 - 3ºE - Bentão diz:

    Em sua citação Marx trata do fim das nações auto-suficientes, elas não conseguem mais sobreviver sem a intervenção econômica, cultural ou intelectual de outra nação. Não existe mais o individual, todos os tipos de criações “tornam-se patrimônio comum”, isso porque com o progresso dos meios de produção e de comunicação a burguesia consegue obrigar todas as nações a seguirem seus padrões, perdendo a real identidade de cada um “sob pena de ruína total”. E na obra de Tarsila do Amaral é nítida essa mistura de etnias, cada rosto com um traço diferente, porem todos no mesmo lugar, trabalhando na mesma fabrica, que simboliza a burguesia. Na minha opinião o quadro pode ser muito bem lincado a uma das frases da citação de Marx, que a burguesia “cria um mundo à sua imagem e semelhança”, e é perceptível a insatisfação dos operárias mediante aquela situação, o que demonstra que o sistema burgues como um todo também não é muito bonito.

  8. Giovanna Arcolini nº11 3ºD - Bentão diz:

    Marx em sua citação fala da tão atualmente falada globalização, que contextualizando historicamente, podemos afirmar que estava se iniciando. O sociólogo também fala das consequências da consolidação dos avançados meio comunicativos: misturas étnica e a burguesia.
    Tarsila do Amaral no quadro que foi feito em 1933 retrata a realidade histórica: o processo de industrialização brasileiro (podemos ver ao fundo várias fabricas). Além dos rostos das pessoas que seriam os ‘Operários’ indo trabalhar, de várias cores/raça.

  9. Mayra Silva dos Santos nº26 3ºE - ETEC Bento Quirino diz:

    Ao analisar as duas obras pude perceber os diferentes contextos que se entrelaçam. Analisando a citação de Karl Marx percebi que devido a época é bem explicito a questão da substituição do homem pela máquina, onde o funcionário é visto somente como um “objeto” para se obter lucratividade, não podemos deixar de lado também a questão de que com a chegada da modernidade o mundo se torna um único lugar onde não existe fronteiras e que todos são atingidos pela transição e pela instabilidade do período.
    Relacionando esta citação com o quadro “Operários” de Tarsila do Amaral, a artista que é umas das responsáveis pela modernidade no Brasil, tenta mostrar a diversidade étnica (mundo sem fronteiras) e a questão de que o ser humano tem que ser “subordinado” á maquina onde ele é contratado para fazer uma única coisa dentro da indústria e esta seria, pilotar a máquina. Naquela época, acreditava-se que a máquina pudesse organizar a sociedade, e isto não foi o que acabou acontecendo.

    Nome: Mayra Silva dos Santos nº26 3ºE – ETEC Bento Quirino

  10. Talitha Lima, nº26 3ºD diz:

    O quadro de Tarsila de Amaral retrata a mistura de etnias, representando a quebra de fronteiras entre as nações (que seria a classe operária), e logo atrás é possível ver fábricas, que representa o desenvolvimento capitalista, comandado pela burguesia.
    O mesmo é retratado na citação de Marx, onde ele afirma que o capitalismo e a industrialização são responsáveis pela mistura de povos, subordinados ao mundo capitalista, ou a burguesia em si.
    Assim, é possível notar que a citação de Marx e o quadro de Tarsila representam, igualmente, o desenvolvimento capitalista e modernista, e o enorme controle que esse movimento tem sobre a sociedade.

  11. Patrícia Barbosa Pacheco 3ºA nº 25 Bentão - ETE Bento Quirino diz:

    A Curiosidade, é algo que sempre moveu o mundo assim como as perguntas.
    Especular isso para obter lucros, é coisa bem Da buguersia, dos capitalistas.
    Com a desculpa ou promessa, de levar a todos as vantagens em cada canto do mundo resolvendo seus problemas e unindo povos. A modernidade capitalista e industrial globalizou o mundo (não q isso seje exatamente ruim) mas, essa mistura de pessoas de etnias, simplismente só ofereceu aos capitalistas vantagens.
    Mais mercado consumidor
    Mais oferta de mão-de-obra barata.
    Rentável demais não?
    O mais legal é q no quadro operarios, a tarsila do amaral mostra q uma imensa maioria de diversas etnias vivem assim, concordando ou não em uma grande opressão.

  12. Ianaiy Lopes da Silva Nº 15 3ºE - Etec Bento Quirino diz:

    O que chamamos de modernidade é o conjunto de transformações que se iniciam-se entre o séc. XlX e o séc. XX, envolvendo aspectos culturais, políticos e econômicos; marcados pelo constante culto ao progresso, a ciência e razão. Em decorrência disso como é apresentado na citação acima desenvolvem-se um intercambio universal e uma universal interdependência das nações.
    O quadro “Operarios” de Tarsila do Amaral expressa essas caracteristicas do período modernista, com os varios rostos dos trabalhadores vindos dos 4 cantos do país e do mundo da recem-inaugura industria brasileira. Entretando é possível observar q ambos estão apaticos (sem expressão) sobre o mesmo, decorrentes da falsa promesa de felicidade através do progresso que resultou em conseguencias visiveis ate hoje como o aumento da desigualdade social entre outros.

  13. Roger Amarantes Silveira nº30 3ºB diz:

    Max criticava o sistema capitalista, que unia todas as etnias para trabalhar nas industrias, tendo assim, uma produção em massa, E isso fica bem claro no quadro de Tarsila do Amaral, onde tem varias pessoas de varias etnias em frente uma industria.

  14. brucordeiro diz:

    Karl Marx afirma que o capitalismo e a industrialização seriam os fatores responsáveis por aproximar as nações e consequentemente fazer com que essas nações tornem-se dependentes uma das outras. Essa “aproximação de nações”, causada pela padronização do modo de produção burguês, é responsável por juntar pessoas de diferentes características e etnias. E isso é justamente o que Tarsila do Amaral ilustra em seu quadro: diferentes pessoas de diversas etnias, juntas a frente de uma fábrica (usada para ilustrar o modernismo).

  15. Renan Moreno Alvarenga , N° 31 - 3°E Bentão diz:

    Na citação de Marx, a modernidade é retratada como a quebra de fronteiras entre as nações, começando pela área economica, quando o sistema capitalista obriga as outras nações a adotar o modo burguês de economia fazendo com que as nações se tornem dependentes umas das outras, não tendo chance de sobreviver sem este sistema e quanto as pessoas, Marx retrata esse modernismo como uma epoca onde todas as pessoas, não importa a etnia das mesma, trabalharam para um burguês.
    No quadro de Tarsila do Amaral, a modernidade é retratada como a supremacia do sistema capitalista, que é representada como a indústria ao fundo do quadro, e as pessoas representam a moral capitalista onde todas as pessoas, não importa a etnia, devem se empenhar em trabalhar para um burguês para garantir seu sustento.

  16. Flávio Moreira F. Bentão , 3ºF , Nº34 diz:

    Tarsila do Amaral em seu quadro ,mostra a vida do operário que se tornou escravo da vida capitalista ,todos com uma expressão parecidas porém cada um de uma etnia (globalização e urbanização) e fabricas ao fundo (modernização) ,relacionando com a citação de Marx,ele diz que a burguesia com seus preços extremamente baixos (em função do modernismo >>> fabricas) é uma atilharia para qualquer comércio q venha a ser um pouco menor ou não burguês ,logo a desigualdade social aumenta pois o poder de produção fica na mãos desses burgueses não dando chances a pequenos comércios ,obrigando a sociedade trabalhar para estes em função de conseguir o dinheiro para sobreviverem (pessoas do quadro).

  17. Persio Moraes n°23 3°D- Bentão diz:

    A citação feita por Cal Marx refere-se ao antigo isolamento das regiões e das nações, junto do intercambio universal, falando sobre a sua integração e que essa ocorre graças a uma necessidade da sociedade (que passou a ser regida por um regime capitalista), como por exemplo tecnologia e arte, e prevendo que essas cidades viriam a depender umas das outras para poderem manter a estrutura.
    No Quadro de Tarsila do Amaral, vemos esse mesmo tipo de ideia, onde para manter a estrutura capitalista da cidade, representada na imagem pela indústria ao fundo, é necessária uma massa de trabalhadores, que como vemos, não possuem as mesmas características étnicas, como cor da pele e vestimentas, sugerindo que realmente a necessidade ,das sociedades capitalistas, de poder depender de alguém tinham se concretizado e que ao mesmo tempo, com a união das diversas etnias, uma nova cultura diferente viria a surgir.

  18. Anónimo diz:

    A citação feita por Cal Marx refere-se ao antigo isolamento das regiões e das nações, junto do intercambio universal, falando sobre a sua integração e que essa ocorre graças a uma necessidade da sociedade (que passou a ser regida por um regime capitalista), como por exemplo tecnologia e arte, e prevendo que essas cidades viriam a depender umas das outras para poderem manter a estrutura.
    No Quadro de Tarsila do Amaral, vemos esse mesmo tipo de ideia, onde para manter a estrutura capitalista da cidade, representada na imagem pela indústria ao fundo, é necessária uma massa de trabalhadores, que como vemos, não possuem as mesmas características étnicas, como cor da pele e vestimentas, sugerindo que realmente a necessidade ,das sociedades capitalistas, de poder depender de alguém tinham se concretizado e que ao mesmo tempo, com a união das diversas etnias, uma nova cultura diferente viria a surgir.

  19. Anónimo diz:

    Na pintura de Tarsila do Amaral podemos observar pessoas de diversas etnias e culturas diferentes, todas se adaptando as mudanças na industria, com o rápido aperfeiçoamento das máquinas e etc… e na vida das pessoas de maneira geral, todas adaptadas e trabalhando como peças que fazem a máquina capitalista girar, as pessoas estavam presas a isso não tinha como fugir desse sistema, na minha opinião até hoje não tem.
    Breno José C. S. Zanon, Nº05
    3ºA

  20. Géssica Paula Arroyo Nº 13 3ºE - Etec Bento Quirino diz:

    A citação de Karl Marx transmite a ideia que existem pessoas de diferentes etnias que acabam vivenciando a mesma realidade. Elas se tornam escravas das inovações tecnológicas que são resultados da globalização, essa escravidão se explica de modo que as pessoas se tornam consumistas e dependentes cada vez mais de seus trabalhos e sem ao menos perceber são exploradas por seus superiores, como ilusão recebem aumentos em seus salários, mas são muito mais cobradas pelas empresas, assim surgindo à mais-valia. O quadro da Tarsila do Amaral tem uma grande relação ao pensamento de Marx, as pessoas retratadas estão todas com expressão de indiferentes e cansadas, e no fundo tem as fabricas que traz a ideia de serem as responsáveis por tais expressões devido à exploração de mão – de – obra.

  21. Luana Teles nº19 3ºC diz:

    Tanto o quadro quanto o comentário de Karl Marx, nos mostram que houve uma grande mudança no mundo, onde foi ocorrendo o aperfeiçoamento das máquinas e grande desenvolvimento dos recursos de comunicações as indústrias como é mostrado nos quadros começou a conquistar grande espaço nas cidades trazendo com ela os operários de diferentes etnias, que tiveram que se adaptar ao local onde estavam vivendo, obrigados a viver como “escravos” do capitalismo trabalhavam e enriqueciam ainda mais a burguesia enquanto os operários trabalhavam por baixos salários, as burguesia se favoreceu e os que possuíam menos dinheiro se prejudicaram e ficaram dependentes dos burgueses.

  22. Tamiris Cristina Piva Coelho Nº 30 3ª A Bentao diz:

    No quadro de Tarsila de Amaral ele mostra que as pessoas têm um aperfeiçoamento rápido com os instrumentos, com a tecnologia que esta ultimamente avançada, e que as pessoas não tem uma comunicação constante umas com as outras. E Karl Max defende que “Em uma palavra, cria um mundo à sua imagem e semelhança”, e como as pessoas só dao atenção a nova tecnologia, elas nao veem essa imagem e nem semelhanças. Tambem é possível perceber as feições tristes nos rostos dos trabalhadores, exemplificando as condições que passavam enquanto trabalhavam incessantemente nas fabricas. Sendo assim ele da ideias para que a sociedade começe a evoluir, a ter mudanças em nossas vidas, para que o mundo seje melhor, e nao ser o que é hoje.

  23. Erika Harumi N. Monetti, nº08, 3ºD diz:

    Ambos, tanto o quadro quanto a citação de Marx, sugerem uma padronização, pois todos no quadro, apesar de serem de etnias diferentes, possuem a mesma expressão. Já Marx, cita sobre a burguesia estar “arrastando” a todos, até os povos mais bárbaros, a “cultura do consumismo”, obrigando a todos aceitar o modo burguês de produção.E todo esse processo sugere a ideia de globalização, apesar desse conceito ser recente e de não se falar disso na época. Assim como o quadro da Tarsila, mostrando a diversidade cultural.
    E é interessante pensar sobre quando Marx cita “Sob pena de ruína total” e associá-las à pintura, pois nela todos se mostram de certa forma infelizes ou indiferentes e se mostra tão mutável quanto o conceito de modernidade.

  24. Gabriela Cantagessi Nº12 3ºE - Bentão diz:

    Tarsila demostra no quadro o que seria uma fiel representação da visão de Marx sobre a industrialização.Os muitos trabalhadores no primeiro plano e a fábrica ao fundo,sendo esta o símbolo desse período.Todas as pessoas possuem a mesma expressão, apesar de serem de etnias diferentes. Isso reflete o fato de que na época da industrialização, o ser humano perde a sua personalidade individual e se torna apenas mais uma peça na linha de produção, um produto, e infelizmente, isso ainda continua até hoje, mesmo que de modo menos radical. O próprio sistema nos obriga a nos sujeitarmos a essa situação.

  25. Kaique de Souza Monteiro, 3ºF, nº: 17 diz:

    Na citação de Karl Marx ele explica os conceitos da globalização de produtos e informações utilizando como exemplo as exportações. A citação se relaciona com o quadro de Tarsila do Amaral no sentido de mostrar que todas as pessoas são exploradas da mesma forma pelo sistema capitalista que visa a produção para a exportação em fabricas insalubres. No quadro é possível perceber também as feições tristes nos rostos dos trabalhadores, exemplificando as condições que passavam enquanto trabalhavam incessantemente nas fabricas.

  26. Ederson Andrey, Nº09 3ºA - Bentão diz:

    O quadro de Tarsila do Amaral juntamente com a citação de Karl Marx representa os diferentes tipos sociais na classe dos trabalhadores e como são diversificados.
    A industrialização cooperou para que esta classe social ficasse bem diversificada, pois para o capitalismo não importa como a pessoa é fisicamente mas sim os lucros que o trabalhador irá gerar.

  27. Brena nº 05, 3ºF Bentão diz:

    Tanto a citação de Karl Marx quanto a obra de Tarsila do Amaral deixa claro que estão se referindo a industrialização, migração de trabalhadores, consolidação do capitalismo industrial e de uma classe de trabalhadores marginalizada e explorada. No quadro percebemos pessoas de diversas etnias, agrupadas pelo mundo industrial, cansadas e tristes com as péssimas condições de trabalho as quais são submetidos e a relação que há com Marx é exatamente isso, pois entendo que para Marx o modernismo brota dos movimentos e pressões da moderna vida econômica: de sua incansável e insaciável demanda de crescimento e progresso; sua expansão dos desejos humanos para além das fronteiras nacionais; sua pressão sobre as pessoas no sentido de explorarem não só aos outros seres humanos mas a si mesmas.

  28. Talita Souza, Nº25 - 3ºF diz:

    Karl Marx discute nesse fragmento a interdependência entre nações , o que hoje chamaríamos de globalização e essa foi pelo mundo capitalista ou “burguesia”, mas fala dos pontos negativos, porem em minha concepção há pontos positivos também, por exemplo a possibilidade de conhecer pessoas diferente, culturas diferentes.Isso não quer dizer que discorde quando Marx fala que todos somos obrigados a aceitar o modo burgues de produção.
    Tarsila do Amaral também discute em seu quadro “Operários” o fato do Brasil, especificamente a cidade de São Paulo na década de 20 estar se industrializando e como consequência ocorre a migração maciça de estrangeiros de etnias e cultura diversas, todos em busca de uma vida melhor, ou a ilusão de uma vida melhor que o mundo nos proporciona.

  29. Cesar Yamaki, Nº09, 3ºF, Bentao diz:

    Marx cita o intercambio universal, que seria o que conhecemos hoje como globalização, e ele tambem diz que nenhuma sociedade é capaz de sobreviver sem praticá-lo, já que não existem sociedades auto-sulficientes.
    Isso é claramente visto no quadro de Tarsila do Amaral. Existem varias pessoas de diferentes etnias em frente a uma fábrica, dando a idéia de que para uma sociedade evoluir, ela precisará do auxilio de outras.

  30. Matheus Calastro Busso, nº 21, 3ºD diz:

    Karl Marx, com sua crítica ao capitalismo, traça uma analogia com a Bíblia, “criou um mundo sua imagem e semelhança”, mostrando como a burguesia elevou o “Capitalismo” a uma posição tão importante que se tornou um “deus” que controla as vidas. De fato, o mundo todo, qualquer seja a cor, etnia ou cultura, é obrigado a trabalhar dentro dos padrões burgueses se quiser um sustento próprio, de tanto que esse ‘deus’ se alastrou pelo mundo. Tarsila do Amaral expressa muito bem, em sua pintura, o que Marx quis dizer com uma diversificação dentro do universo capitalista, onde todos os seres humanos são iguais, e são trabalhadores, e explorados. Não há expressão no rosto dos trabalhadores, senão uma aparente tristeza e vazio, reflexo do que o “deus” Capitalismo fez ao mundo, o deixando sua imagem e semelhança.

  31. Valdemar Franco Cabrera diz:

    A industrialização, os meios de produção e a demanda por tudo, fez com que houvesse uma necessidade de tudo ,desde mão de obra até produtos alimentícios , e isso demandou muitos indivíduos ,que foram retirados de sua região de origem para ser trazidos as cidades e trabalharem nas fabricas, que são obrigados a trabalhar com péssimas condições de trabalho ,e nesta Pintura de Tarsila do Amaral é retratado claramente este conceito pois mostra mulheres homens e crianças que são iguais em relação as industrias, Além do mais a globalização tem como consequência esta características misturar etnias mesclando culturas e as destruindo-as ,Por fim a pintura se assemelha muito com o texto pois mostra as consequências das mudanças da modernidade.

  32. Ednaldo Leite Júnior Nº07 - 3ºD diz:

    Tanto no quadro quanto no excerto de “Manifesto Comunista” é retratado como os padrões do modernismo agrupam as pessoas, não importa raça, sexo, ou língua. Foi nessa época que surgiram as grandes fábricas, responsáveis por agrupar pessoas de todas as partes do mundo. O empregado não era distinguido conforme sua origem: seu papel lá dentro era o de trabalhar, como todos os outros empregados.

  33. Renan césar Ribeiro Nº21-3ºF diz:

    O quadro de Tarsila do Amaral descreve nada mais do que o capitalismo criticado por Marx, ao fundo pode-se ver uma fábrica, o simbolo capitalista, e varias pessoas de diferentes etnias que mostra a migração de trabalhadores de diferentes lugares do mundo para as metropoles, ajudando assim na produção em massa das fabricas.
    A falta de expressão nos rostos das pessoas no quadro reflete a infelicidade, e o padrão mostra que os trabalhadores eram apenas ferramentas de trabalho usadas para alimentar a classe burguesa.

  34. Julia Graciela nº 35 -3ºA diz:

    O quadro e a citação são um relato das mudanças profundas na sociedade resultado do movimento modernista; por mais que os autores viveram em épocas diferentes em ambos existe uma critica a forma com que as fabricas estavam organizadas com horários excessivos com desigualdade e sobrecarga dos funcionários. Marx enfatiza as relações entre trabalhadores e patrão e critica semelhante a Tarsila faz por volta do século vinte que faz uma critica semelhante sobre as industrias. Nesse período o brasil começa a se industrializar. Esse auto-desenvolvimento não atingiu todos, apenas a classe burguesa foi beneficiada. Marx defendia o socialismo no qual a sociedade deveria ser igualitária e no quadro pode-se observar essa igualdade que ocorre uma mistura diversa de etnias e universalismo.

  35. Anderson Vinícius Ridolfi Gonçalves N° 03 3°F diz:

    Em ambos, percebemos uma característica da Modernidade, a homogenização de raças. Na citação de Karl Max, ele diz que no Modernismo os Países deixarão de ser auto-suficientes e começarão a depender dos outros, como em uma rede, tendo assim uma troca de conhecimento, produtos e de cultura, sendo que nenhum País se manterá sozinho. E no quadro de Tarsila do Amaral, pode-se ver isso, a homogenização das raças, tendo uma indústria no fundo, mostrando que nada é produzido em um só lugar, com cada País tendo sua participação.

  36. Fernanda Chaurais Corrêa, nº 09, 3º D, Bentão diz:

    A citação de Marx faz jus ao início da Industrialização, como ele também chama de início da civilização da sociedade. Nessa época, começavam as “trocas” entre os países, tanto físicas (mercadorias/produtos), como intelectuais (informação) e também, tecnológicas. Através da citação e do conhecimento adquirido nas aulas de Sociologia, aprendi que, para buscar sua sobrevivência nesse novo cenário social, o proletariado masculino teve que encarar altas jornadas de trabalho recebendo baixos salários. As famílias percebendo que isso não estava sendo suficiente, fez com que mulheres e crianças também encarassem a mesma situação.
    O quadro de Tarsila do Amaral relaciona-se com essa época por retratar qual era a realidade dos operários. Devo ressaltar que, nessa época, a separação entre classes sociais se intensificou, porque a burguesia (classe mais alta) acumulava riquezas através do trabalho “escravo”.

  37. Bárbara Martins de Carvalho Nº 02 3ºE diz:

    No quadro “Operários” Tarsila do Amaral retrata a diversidade cultural da população paulistana e como plano de fundo, chaminés e fábricas que se relacionava a produção, sendo a máquina o ícone da sociedade industrial e moderna. Esse quadro traça a grande revolução industrial na qual São Paulo estava envolvido naquele momento, além dos diferentes povos que aparecem ali.
    Na visão de Karl Marx o capitalismo explora os trabalhadores, um exemplo dessa exploração é a mais-valia que é quando o trabalhador pode receber aumento no sue salário, porém estará sempre sobrecarregado sendo obrigado a bater metas gigantes com um maior número de produtividade e em menor tempo, fazendo com que ele receba mal pelo seu serviço. Mesmo assim os trabalhadores são obrigados a aceitar as condições impostas pelos empregadores porque não dispõem de fontes alternativas de renda. Marx considerava que para atingir a forma perfeita de sociedade se teria que passar pelo capitalismo, o que seria inevitável.
    Ou seja, ambos falam sobre a convivência das pessoas em um mundo capitalista junto com o modernismo. Mesmo passado anos em cima dessa obra e dessa citação as condições não mudaram muito, a não ser o crescimento muito rápido das cidades. Convivemos em uma sociedade onde a roupa que as pessoas usam tem mais valor do que o bem estar e valor humano das mesmas.

  38. Renata M. Santos nº22 3F diz:

    Karl Marx afirma em seu texto que as nações estão se tornando dependentes uma das outra em todos os sentido e acabando por ter os mesmos gostos e no quadro de Tarsila do Amaral podemos ver varias pessoa de etnias diferentes juntas e ao fundo uma fabrica que é um simbolo da revolução industrial, esse processo de fazer com que todos queiram as mesmas coisas começou após a revolução industrial.

  39. Anónimo diz:

    Renata Kors Quiles, 3º A, nº 28

    No texto Karl Marx está afirmando que do jeito que as coisas estão evoluindo os países não serão mais independentes um do outro pois, a relação de comércio existente entre eles é totalmente dependente uma da outra, se um país entrar em crise todos os outros países também serão afetados.
    A mudança de demandas exigidas no nosso mundo burgues faz com que as pessoas se tornem mais objetos do que seres humanos, e assim criamos cada vez mais um mundo capitalista, onde quem produz mais e mais barato sai ganhando, pois com os produtos com preço baixo “conquista” todas as classes sociais.
    A relação entre a visão de Karl Marx com o o quadro de Tarsila de Amaral é que a necessidade de produção é tão grande que há a mistura de etnias, pois qualquer um serve como operário, e os seres humanos são vistos como máquinas, todos os rostos do quadro possuem a mesma expressão, e como um grande consumidor que move a economia mundial.

  40. Rafael Henrique da Silva nº30 3ºE diz:

    Karl Marx previu o que está acontecendo nos tempos atuais, os países não são mais auto-suficientes e dependem um do outro, assim criando uma nação universal. Temos como exemplo a China que se ela entrar em uma crise feia, ela arrasta mais da metade do planeta com ela, pois muitos países dependem de seus produtos. Em relação ao quadro de Tarsila do Amaral mostra a universalização que a modernidade trouxe, várias etnias e classes sociais trabalhando juntas pra produzir não só para o seu país, mas também para a exportação.

  41. Thais Bernardes n° 36 - 3°C Bentão diz:

    Na citação de Karl Marx e no quadro de Tarsila do Amaral, ambos relatam a modernidade, de uma forma que mostra pessoas do campo de diversas etnias indo trabalhar nas cidades por conta do surgimento do capitalismo, principalmente a burguesia. A imagem ao fundo demonstra as mudanças de métodos produtivos e como isso afetou a sociedade.

  42. Isabella De Sordi, nº 14, 3ºD diz:

    A citação de Karl Marx, intelectual e revolucionário filósofo alemão, foi escrita no século XIX e é interessante notar como se relaciona e se encaixa com a imagem mostrada em um quadro pintado por uma artista brasileira em 1933.
    Tarsila do Amaral, artista do movimento modernista brasileiro, pintou o quadro “Operários” em uma época em que estava muito ligada ao pensamento comunista (ela esteve na União Soviética e mais tarde participou de encontros do Partido Comunista Brasileiro). Marx fala na citação em questão sobre uma época de globalização e intensa mistura de culturas, tradições, pessoas e criações no mundo inteiro. Apenas o que há em nosso país não é mais suficiente para satisfazer e sustentar o modo de vida da sociedade; é a invasão do sentimento consumista e a imposição do sistema burguês em praticamente todas as nações do planeta. Não há mais escapatória.
    “Operários” retrata a realidade brasileira e fica evidente como o país se encaixa na descrição do autor de “O Capital”. A fábrica ao fundo é símbolo do sistema industrial e a variedade étnica dos operários (o Brasil recebeu uma gama de imigrantes) é exemplo da pluralização e universalização ocorrendo no mundo e de como todos estamos sujeitos e obrigados a participar da sociedade burguesa; todas as populações, “até mesmo as mais bárbaras”. A expressão facial dos funcionários é de indiferença e cansaço, como se vivessem uma imposição sem saída em um mundo de opressão. A sobreposição dos rostos representa a massificação do trabalho, as péssimas condições e a falta de perspectivas.

  43. Paula Martins Dias, Nº 19, 3º F diz:

    Marx e Tarsila apresentam sua visão sobre as transformações do mundo industrializado, a globalização e parte do que pensam a respeito da modernidade, além do próprio capitalismo.
    Através de sua obra Tarsila mostra a situação política e social do início da década de 1930, a industrialização, migração de trabalhadores, consolidação do capitalismo industrial e de uma classe de trabalhadores marginalizada e explorada. As pessoas pintadas no quadro são de várias etnias e isso mostra a migração de diferentes locais do Brasil e do mundo para as metrópoles, a expressão das mesmas é uma referência às péssimas condições de trabalho enfrentadas por essa classe. A citação de Marx também fala sobre isso, mas com alguns dos motivos e as consequências dessas inovações.

  44. Susanna Zhao , nº33 - 3ºF diz:

    Como podemos notar no quadro de Tarsila do Amaral (“Operários”) e na citação de Karl Marx , mostram a mão de obra e a disputa de classes que existia na época da modernidade. Como a burguesia precisava de uma mão de obra barata e rápida , assim universalizou a mão de obra , trazendo pessoas de todos tipos de raças e cores , como podemos ver na obra de Tarsila do Amaral. Marx relata sobre a disputa das classes sociais , pessoas que sonhavam com a ascensão da classe social , se tornar um burguês , e a burguesia explorava-os.
    Os dois através de formas diferentes , criticam e mostram como era a visão modernista.

  45. Rodrigo de Azevedo n°32 3°E diz:

    Na citação de Karl Marx e no quadro de Tarsila do Amaral, trazem as características e as consequências do modernismo, como por exemplo a grande mudanças na forma de organização da sociedade que houve nesse período tanto no ramo da produção quanto no ramo intelectual, ideais que influenciaram e influenciam até hoje, como a forma capitalista e burguesa que foram introduzidas na sociedade.

  46. Isabela Fontenele nº11 3ºB - Bentão diz:

    A pintora Tarsila do Amaral expressa o trabalho em sua obra; pessoas com expressões extremamente cansadas, rostos sérios e uma diversidade étnica muito visível. Fica muito claro a intenção de mostrar como o trabalho nas fábricas era intenso.
    O quadro “Operários” retrata bem o que Marx diz: “O mundo se tornou um só, pessoas de diversos pontos do mundo unidos pelos mesmos ideais, unidos por uma mesma causa, com a modernidade as fronteiras diminuíram”.
    Pessoas de todos os lugares agora conviviam diariamente e por longas jornadas de trabalho,começa a ocorrer um “intercâmbio universal”: a nacionalidade nao importa mais.

  47. André Souza Concetti Nº01 3ºE diz:

    Enxerga-se claramente que o quadro de Tarsila do Amaral se encaixa como uma ilustração ao texto de Marx. Segundo Marx, estão extintas as nações independentes auto-suficientes e cria-se uma nação universal que é interdependente entre si. O quadro de Tarsila ilustra isso usando com o exemplo a fábrica: reúne várias etnias, raças e classes socias em torno de apenas um objetivo que é produzir alguma coisa não só para o local onde está a fábrica, e sim para a nação universal que usa o determinado produto produzido.

  48. Paulo Toshio Amano n° 34 3°D diz:

    O quadro de Tarsila do Amaral – Operários e a citação de Karl Marx, mostram mudanças no modernismo, mostram como a sociedade é realmente, diferente, raças distintas, povos, etc. As fábricas representam a burguesia e o aumento das cidades, substituindo o pequeno agricultor e satisfazendo a necessidade que os produtos nacionais não proporcionavam mais,desenvolvendo um intercâmbio universal e uma universal interdependência das nações.

  49. Gabriel Cirilo, nº 11, 3ºF diz:

    Marx dizia que como o mundo ficou pequeno com os avanços tecnológicos , as pessoas se tornam “obrigadas” a trabalhar e vendo o quadro de Tarsila do Amaral a conclusão é que todos são “escravos” do mundo capitalista eternos operários

  50. Raphaela Nogueira, nº 35, 3º C diz:

    Karl Marx, critica o capitalismo e a indústria, por conta de seu crescimento espontâneo e acelerado, buscando somente o lucro. Os funcionários eram obrigados a trabalhar como máquinas.
    Já no quadro de Tarsila do Amaral, conseguimos notar os mesmos fatores, percebe-se as expressões de cansaço dos funcionários e também todas muito parecidas, o que combina com os fatos descritos no texto de Karl Marx.

  51. Luiz F.K. de Carvalho - nº21 - 3ºB diz:

    Podemos ver claramente no quadro de Tarsila do Amaral o que Marx quer dizer com “intercâmbio universal”. Várias pessoas de diferentes etnias, culturas, lugares, convivendo juntos e compartilhando as descobertas e desenvolvimentos, pois atualmente, não há como fugir da globalização que nos envolve e incorpora, aproximando cada vez mais as pessoas. Mesmo que o quadro de Tarsila tenha sido para mostrar algo difícil na época, várias etnias reunidas, se encaixa muito bem na citação.

  52. Anderson Cortiella N°01 3°D - Bentão diz:

    Quando Marx relaciona o antigo isolamento das regiões e das nações junto do intercambio universal, ele quis dizer que, as populações regidas por um novo sistema capitalista ( industrias ), acabariam se dependendo umas das outras, e essa dependência seria de mão de obra para a indústria capitalista. Junto dessa mão de obra, estariam ligadas as criações intelectuais, que com decorrer do tempo, as nações passariam a estar mais “próximas” umas das outras, tanto pela troca de mão de obra, tanto pelo capital que circularia entre elas.
    E junto disso, o quadro que a nossa excelentíssima pintora Tarsila do Amaral, fez praticamente a mesma relação, pintando a diversidade cultural e étnica de forma junta e aglomerada, representando o padrão e na ponta o burguês, discretamente no topo, e ao fundo a indústria, responsável por todos esses processos, mesmo que, indiretamente.

  53. Thiago Ananias, Nº 28, 3ºD, Bentão diz:

    Marx diz que a modernidade fez com que o mundo diminuísse, pois, a modernidade trousse avanços em muitas áreas e uma delas foi a tecnologia de comunicação. Esse avanço possibilitou que pessoas de muitos cantos do mundo pudessem interagir com pessoas totalmente desconhecidas, a modernidade fez com que as fronteiras não impedissem mais que a cultura, por exemplo, de países diversos, fossem conhecidas pelo mundo. O fim destas “fronteiras” também possibilitou que o mundo interferisse mais em um país isolado.
    O quadro “Operários” retrata bem o que Marx diz, o mundo se tornou um só, pessoas de diversos pontos do mundo unidos pelos mesmos ideais, unidos por uma mesma causa, a modernidade.

  54. Caio Matheus N8 3F diz:

    Marx cita um fenômeno que hoje conhecemos como globalização , que é a troca de produtos , matéria prima , mão de obra ,informações e cultura entre os países , isso vai acabando com a individualida de cada pais e região , tende a criar uma cultura universal , podemos ver isso quando ela faz referencia a literatura “das numerosas literaturas nacionais e locais nasce uma literatura universal ‘’ , já no quadro esta explicita a mistura de raças , podemos ver varias pessoas de diferentes etnias que estão unidas pela a indústria , pessoas de países , cultura e classe social diferente , oque contribui para o fenômeno da globalização já que a troca de cultura e informações entra elas

  55. Rafaella Bergamini n º 34 3ºC-bentão diz:

    RESPOSTA CERTA :
    No texto Marx critica o capitalismo e a indústria, devido ao seu crescimento repentino e exagerado, onde só se visava o lucro. Funcionários eram tratados como máquinas, com longas jornadas de trabalho. No quadro de Tarsila do Amaral, podemos perceber esses fatores, aparentemente são funcionários com expressões cansadas e muito parecidas, o que se assemelha com os fatos descritos no texto.

  56. Gustavo F. L. Oliveira - Bentão 2ºA diz:

    Marx, critica o modo em que o capitalismo foi implantado a sociedade o modo de produção estabelecido, e o modo que foi aceito pela sociedade de maneira simples e convicta pela ”melhoria que traz, o capitalismo” no sentido em que o capitalismo so busca um conforto melhor do que aquilo que voce ja adquiri uma melhoria da qualidade de vida .. O quadro mostra como é retratado o mode de produção do capitalismo, o modo de produção ”fordista” onde o trabalho era repetitivo, não participavam de todas as areas de produção e baixa qualidade de mão de obra.

  57. Thais Krüger N° 27 3°D - Bentão diz:

    Segundo Marx surgiria uma universalização, assim as nações dependeriam uma das outras e com a burguesia crescendo cada vez mais e a busca pelo dinheiro também, o que ocasionou um grande número de pessoas migrando para um lugar para trabalhar. No quadro de Tarsila Amaral, podemos observar o universalismo, pessoas de várias etnias, e locais diferentes, reunidas para maior produção. A imagem de uma fábrica ao fundo mostra as mudanças na produção e como afetou a sociedade. O quadro foi feito na época da Revolução Industrial, os cidadãos estavam tendo acesso a diversos produtos no mercado, e cada vez mais queriam produtos diversificados, o que contribuiu para algumas mudanças.

  58. Rafaella Bergamini n º 34 3ºC-bentão diz:

    No texto Marx critica o capitalista e como cresceu a demanda da industria, pois era exigido lucros sobre lucros, assim como no quadro Tarsila do Amaral retrata muito bem a estafa dos funcionarios, nota-se pela espressão de cada um.

  59. Mariana Martins Rosário Nº 24 3º C - Bentão diz:

    Tanto no texto quanto no quadro o assunto tratado é o Modernismo e a industrilização causado por esse movimento.
    Na citação Marx descreve o processo de globaliação tanto de produtos quanto de conhecimento. A partir do momento que alguns países passam a se industrializar, inicia-se uma troca de conhecimento, tecnologia e principalmente mão-de-obra entre os países. O que ocasiona uma interdependencia entre eles.
    Porém quem detém maior influência é a burguesia que, por conta dos baixos preços de seus produtos, obriga o resto do mundo a adotar seu modo de produção.
    Podemos perceber essa mistura das nações no quadro de Tarsila do Amaral, onde podemos perceber a representação de pessoas de diversas etnias unidas pela industrialização retratada como plano de fundo da pintura.

  60. Jean Renée Míssio 3°D n° 16-Bentão. diz:

    Para Marx ,em sua citação, o mundo esta cedendo ao “estilo de vida ” burgues,com suas maquinas e idéias inovadoras estão obrigando outras nações a seguir este mesmo ritmo,o ritmo que atende somente as necessidades da alta classe social,sem esse estilo de “desenvolver-se” as nações tem poucas chances de chegar a este padrão imposto.
    No quadro de Tarsila Amaral,ele mostra as consequências desse estilo de vida capitalista,onde é atendido os interesses dos burgueses e o povo é castigado nas industrias com jornadas elevadas de trabalho para ganhar tão pouco,e morar em condições precárias.

  61. Victor Cerqueira nº 31 3ºF - Bentão diz:

    Nesta citação de Marx, sua intenção era criticar a expansão do capitalismo em vários países diferentes. Nota-se que “não havia escapatória”, a maioria dos países um a um aderiam a modernização comercial, no qual, consistia em satisfazer a demanda de outros países, ou, de imigrantes. Já Tarsila do Amaral estava criticando a diferença de etnias que estava surgindo no campo operário brasileiro, as pessoas de outros países percebiam o desenvolvimento comercial e econômico do Brasil e viam como uma oportunidade para crescer, dessa forma, aderindo também ao modernismo. Ambos se referem a consolidação do capitalismo e que aos poucos, todos começam a aderir a esse processo de modernização sem importar a raça, nacionalidade, ou classe social.

  62. Anónimo diz:

    Jean Reneé Missio N°16 3°D -Bentão

    Na citação de Marx eles diz que o mundo esta se submetendo ao novo sistema capitalista,onde o burgues é quem dita o ritmo do mundo,com suas maquinas ,inovações,produtos,e quem não seguir esse padrão,esse ritmo imposto será deixado para trás,e vendo isso as nações se veem obrigadas a ceder estes padrões .
    No quadro de Tarsila do Amaral ,ela mostra a dificuldade da vida imposta por esses métodos impostos pelo sistema capitalista ,a vida difícil do trabalhador ,que trabalhava muito para ganhar tão pouco.

  63. Beatriz Albino Bragil, Nº 04, 3ºF, Bentão diz:

    No texto Marx fala sobre o capitalismo que reflete no aumento das indústrias e a expansão do comércio. Segundo ele, haverá uma interdependência universal das nações, ou seja, os países irão produzir determinado produto em larga escala o que resultará na falta de outros produtos resultando então na importação dos mesmos de outros países do mundo.
    Tarsila do Amaral foi uma importante pintora brasileira e participou do Movimento Modernista Brasileiro. O quadro foi pintado na época em que Tarsila estava ligada ao comunismo e em viagem para a URSS se sensibilizou com os problemas sociais da classe operária, pintando em 1933 o quadro “Operários”.
    No quadro é mostrada uma grande mistura de etnias, com pessoas com a expressão cansada e triste, e uma fabrica ao fundo, ilustrando perfeitamente o texto de Marx que diz “… desenvolvem-se um intercambio universal e uma universal interdependência das nações.” A modernidade resulta no aumento da industrialização e uma dependência entre os países.

  64. Nícolas Doi, Nº22, 3ºD diz:

    A citação de Marx se trata da interação entre os países ou regiões mais afastadas, “regiões mais longínquas”, e essa interação é dada graças a uma nova necessidade, ou desejo, da sociedade. Essa necessidade e a interação que esta promove, está relacionada com diversas áreas, na tecnologia, na intelectualidade, na arte, o que afeta diretamente na cultura e o que era um país singular, uma cidade singular, passa a se pluralizar, fazendo disso uma “universal interdependência “, em que muito mais que a dependência de outros povos, existe a agregação da cultura desses povos, de suas tecnologias, de sua forma de pensar e não existe forma de escapar, mesmo se uma nação não se sujeitar a esse novo modo de pensamento, será invadido pelos meios de comunicação e dominado com a mesma ideologia burguesa que engloba o mundo.
    É sobre esse tema que a obra Operários da Tarsila do Amaral diz respeito, nessa obra brasileira podemos observar que existem várias faces e que ao obsevar, percebemos uma grande variedade étnica que estaria representado as diversas partes do mundo, as diversas culturas, no centro do quadro também podemos ver um escritor brasileiro, sugerindo que a literatura também é afetada por essa “pluralização”.
    No canto direito superior da obra podemos ver um homem de terno, representando a burguesia, o dono da fabrica, que podemos avistar atrás das faces, que se sobrepõem às outras pessoas, culturas e singularidades, dando lugar a uma nova forma de pensar, a forma burguesa.

  65. José Matheus Monteiro n°16 3°B-- Ete Bento Quirino diz:

    Marx propõe que os países serão interligados pela indústria, porque no mundo onde a tecnologia cresce um país tende a desenvolver um determinado produto o qual irá vender uma parte, mas, ele deixará de produzir outro surgindo à necessidade de importar este produto de outros países. Ele propõe algo como a globalização das mercadorias, pensamentos científicos entre outros. E esta inovação afetará todos os países até os mais bárbaros (ou seja, aqueles que não são industrializados ou tem economia fechada) na medida em que estes não resistirão aos baixos preços e grandes lucros das indústrias sendo forçados a se industrializarem.
    Nesse contexto entra a obra de Tarsila do Amaral “Operários” que participou da inauguração da modernidade brasileira. Neste período o Brasil estava envolvido no mercado do café, o qual era sujeito a muitas crises e quedas de preço tornando-se um produto arriscado, mas, era a principal mercadoria brasileira. Por isso surgiu à necessidade de indústrias brasileiras (o Brasil que era “Bárbaro” foi forçado a entrar na “globalização”) e em seu quadro Tarsila demonstrou esta ideia: ao fundo vemos nuvens que saem de uma chaminé; representa as grandes indústrias que surgiram. Os operários mostram a junção de varias pessoas e suas etnias reunidas ordenadamente (talvez tenha ligação com o modernismo, nas suas construções que predominava a racionalização de tudo), antes eles trabalhavam em serviços espalhados pelos estados e em pequena escala; com as indústrias foram forçados a virem para as cidades trabalharem nas fabricas.
    A citação faz referencia a uma ideia escrita e a obra de Tarsila do Amaral represente estas ideias na pintura.

  66. Júlia de Aguiar Abreu nº 19 , 3ºE - ETEC Bento Quirino diz:

    Tanto o texto quanto o quadro refletem sobre a expansão do Capitalismo, o aumento do comercio, as pessoas começaram a consumir cada vez mais, assim tornando cada vez mais necessário a produção de novos produtos. Também mostra os imigrantes, as etnias que vieram para o Brasil para dar “continuidade” a este processo, que deixou de ser uma necessidade economica e passou a ser uma necessidade pessoal. Tornando o país o “País dos Burgueses”.

  67. Ellen Caroline Sanches nº36 **3ºA diz:

    No quadro de Tarsila do Amaral o capitalismo é representado pelos operários insatisfeitos com sua vida de trabalho, varias culturas diferentes unidas em um mesmo local pelo trabalho que as concediam. Porém isso não era um fator positivo, já que os horários e os salários eram de grande espanto negativo. Karl Marx, também diz sobre esses fatores, “desenvolvem-se um intercambio universal e uma universal interdependência das nações”, a burguesia através das grandes produções, conseguiu misturar diferentes etnias no mesmo local, fazendo com que as pessoas tornassem instrumentos das fabricas, sendo estas desvalorizadas. O modernismo chegou ao Brasil e o capitalismo crescia rapidamente, onde as pessoas abandonavam toda sua cultura e seu modo de viver para obter um mínimo salário que as colocassem na vida atual, desvalorizando todos seus princípios, e obedecendo a desvalorização imposta pelo capitalismo.

  68. Ellen Caroline Sanches nº36 2ºA diz:

    No quadro de Tarsila do Amaral o capitalismo é representado pelos operários insatisfeitos com sua vida de trabalho, varias culturas diferentes unidas em um mesmo local pelo trabalho que as concediam. Porém isso não era um fator positivo, já que os horários e os salários eram de grande espanto negativo. Karl Marx, também diz sobre esses fatores, “desenvolvem-se um intercambio universal e uma universal interdependência das nações”, a burguesia através das grandes produções, conseguiu misturar diferentes etnias no mesmo local, fazendo com que as pessoas tornassem instrumentos das fabricas, sendo estas desvalorizadas. O modernismo chegou ao Brasil e o capitalismo crescia rapidamente, onde as pessoas abandonavam toda sua cultura e seu modo de viver para obter um mínimo salário que as colocassem na vida atual, desvalorizando todos seus princípios, e obedecendo a desvalorização imposta pelo capitalismo.

  69. Lucas Marques Ribeiro, Nº22, 3ºA diz:

    Lucas Marques Ribeiro, Nº 22, 3ºA
    Pode-se perceber facilmente no quadro de Tarsila do Amaral o que é citado por Marx sobre um intercambio universal e uma universal interdependência das nações, pelo fato de poder reconhecer na imagens várias pessoas, de diferentes lugares e etnias, reunidas e representadas como operários. Isso demontra a união de todas as nações em uma única civilização.
    Tanto o quadro quanto a citação se relacionam bastante ao modernismo, pois no modernismo há uma grande fase de industrialização, a globalização se fortalecia cada vez mais e o mundo ia se unificando, o que Karl Marx diz em “As criações intelectuais de uma nação tornam-se patrimônio comum. A estreiteza e a unilateralidade nacionais tornam-se cada vez mais impossíveis; das numerosas literaturas nacionais e locais nasce uma literatura universal.” e é o que Tarsila do Amaral representa na pintura.

  70. Leonardo Rabelo, nº 21, 3ºA diz:

    Ao analisar o texto e a obra de Tarsila do Amaral, percebemos que a modernidade trouxe a industrialização e, consequentemente, o capitalismo.
    Povos de etnias e pensamentos diferentes se viam obrigados a viver como “escravos” do capitalismo, trabalhando intensamente em indústrias com somente o propósito de produzir e produzir – já que a vida e o trabalho no campo não os possibilitavam uma boa condição para se sustentarem.
    A relação da obra com a citação mostra que esses povos de raça e cultura diferentes, simplesmente abandonavam o seu modo de viver, e iam para as cidades para se integrarem a sociedade moderna, trabalhando nas indústrias para conseguir viver.

  71. Luana de Oliveira Silva nº20 3ºE ; Bentao ; diz:

    Varias transformações ocorreram até que a sociedade pudesse oficializar que era chegado uma nova era, a era moderna. Tanto pra Karl Marx quanto para Tarsila do Amaral essas transformações foram expressas principalmente por meio da area produtiva e lucrativa de produtos e mercadorias. Para Marx, a sociedade estava sofrendo mudanças com relação aos produtos, que antes eram produzidos e consumidos internamente, agora com uma profunda relação exterior inevitável. Aumentando assim a nescessidade de produzir para importar grandes escalas de produtos. Com isso a mao de obra foi sobre carregada, ficando assim explícito a nescessidade de substituição. Os funcionários ( que foram retratados no quadro) sobrecarregados e com limitações humanas foram substituidas por máquinas que produziam muito mais em menos tempo, aumentando a produção, diminuindo o preço a ser pago para os operários e fazendo com a venda e troca de produtos com outros países se tornasse mais rápida e acessível.

  72. Amanda Landy, nº 03 - 3ºA diz:

    No quadro de Tarsila é possível ver as diversas etnias e culturas retratadas nas pessoas que tem um rosto inexpressivo e dependendo de como vemos até cansados e tristes. As fabricas ao fundo representam o trabalho(burguesia). Para Karl Marx o trabalhador era apenas um objeto do capitalismo, não tinha direitos e precisava apenas trabalhar. Pode-se concluir então que a modernidade aproximou diversas culturas e raças colocando-as em um mesmo ambiente de trabalho.

  73. Evandro 3ªA Nº 10 BENTÃO diz:

    Com a modernidade e a “Globalização” tudo ficou mais fácil o comercio e as industrias estão cada vez maior.
    No quadro da Tarsila do Amaral tem muitas pessoas de varias etnias entramos na globalização de novo com a modernidade todos podem ir para todos os lugares muito mais facilmente que antigamente. A empresa o grande simbolo da modernidade esta presente. Des do Fordismo até nos dias de hoje.
    Evandro 3ª A
    Bentão

  74. Jaqueline Dias Belini, Nº 15, 3º D - BENTÃO diz:

    Karl Marx previu que o fenômeno da Modernização/Industrialização levaria ao surgimento de necessidades que antes não eram tidas como prioridade. O aparecimento das indústrias nos anos 30, provocou uma grande mudança no modo de vida, que anteriormente tinha como centro o meio rural e que a partir deste período passou a ser a cidade. Essas mudanças causaram a vinda dos trabalhadores rurais e imigrantes das mais diversas regiões para os centro urbanos em busca de melhores condições de trabalho e também para satisfazer o desejo cada vez mais crescente de se obter o “novo”. A isto, Marx nomeou de “intercâmbio universal”.
    O quadro “Operários” de Tarsila do Amaral, retrata muito bem esse fenômeno, já que deixa claro através de cada operário retratado na pintura, esse intercâmbio provocado pela modernização, representado por meio das diversas etnias ali presentes, somente para a realização de um trabalho pesado que girava em torno das fábricas. Além do mais, a expressão facial dos trabalhadores revela a tristeza e a exaustão por trás dessa “torrente de civilização” da burguesia, que acaba obrigando a todos a seguirem um mesmo modelo “sob pena de ruína total”, criando um mundo a imagem e semelhança do modo burguês.

  75. Mahomed, Nº 19, 3ºD diz:

    No quadro de Tarsila do Amaral, aparecem diversos tipos de pessoas de diversas etnias, o que indica que são de vários lugares do Mundo. Um conceito da modernidade, a Globalização, explica o que vemos na citação de Marx e no Quadro “Operários” pois o Mundo “diminuiu”. As tecnologias avançadas de comunicações e transporte que conhecemos hoje, possibilitam que pessoas de um país se comuniquem facilmente com as de outros países. Além disso, em poucas horas é possível chegar em qualquer lugar do Mundo.

  76. Jéssica Cristina Bentão 3°F diz:

    Como podesmos perceber no comentário de Marx, ele diz que com o desenvolvimento da industrialização uma nação fez-se necessária a outra, tanto no sentido de comercio quanto no de trabalho. O mundo tornou-se globalizado, aos poucos as sociedades vão deixando de ser autônomas e acabam entrando na teia gerada pelos burgueses, que com suas ambições misturaram diferentes etnias com um só propósito.
    O quadro de Tarsila do Amaral resume o comentário de Marx em arte, a fábrica representa a burguesia, a mistura de povos que é retratada por pessoas de diferentes países. Na arte tem o contém desanimo também, significando que nem todos querem participar, mas se vêem obrigados, ou seja, os trabalhadores saem de seus países para conseguir se desenvolver em outros e não cair na ruína.

  77. Bruna Almeida,n°01,3ºB Bentão diz:

    Apesar de serem personagens em que viveram em lugares distintos e em períodos também diferentes, ambos fazem uma crítica ao modo em que as fábrcas estavam organizadas, com horários de trabalho muito alto e com uma acentuada desigualdade e sobrecarga do funcionário, também defende a classe operária. No contexto de Karl Marx ele enfatiza as relações entre o trabalhador e o padrão, a grande desigualdade da população e crítica a classe burguesa semelhantemente a Tarsila do Amaral por volta do século XX, que também faz a mesma observação sobre as indústrias, pois nessa época o Brasil estava começando a se industrializar e tinha os mesmos moldes das fábricas do século XIX e com as mesmas condições em que os opérarios eram subordinados a trabalhar, pela grande desigualdade e salários baixíssimos. Isso fica muito evidente na expressão das pessoas no quadro demonstrando cansaço e sobrecargo de trabalho.
    E também eles defendiam a igualdade entre as pessoas pois Marx defende o Socialismo em que a sociedade deveria ser mais igualitária e no quadro também se pode observar essa igualdade pois ocorre uma misturade diversas etnias e raças, demonstrando o coletivo e o universalismo.

  78. Diogo Piza nº33 3ºD diz:

    Primeiro, no quadro de Tarsila do Amaral, ” Operários”, podemos observar que no fundo da obra existe uma fábrica e seus respectivos operários, todos diferentes, seja por raça, credo, etnia, etc. O que representa o “internacionalismo” e o “universalismo” visto pela burguesia.
    Já no pensamento de Karl Marx, ele nos passa a ideia de “globalização ” e “industrialização” comandados pela burguesia. O aspecto em comum seriam os operários , que independente das diferenças trabalham pelo mesmo objetivo, pois o mundo estava no capitalismo e um pedaço do texto que podemos perceber essa ideia de Marx está bem explícito :” No lugar do antigo isolamento de regiões e nações auto-suficientes, desenvolvem-se um intercambio universal e uma universal interdependência das nações”.

  79. Anónimo diz:

    Anna Beatriz, Nº01, 3ºC – Bentão

    Tanto no quadro quanto na citação, temos um retrato das mudanças profundas na sociedade que foram resultantes do movimento modernista. A tecnologia e o auto desenvolvimento proporcionaram um enriquecimento da sociedade. Porém, esse crescimento não atingiu a todas as pessoas, pois foi acentuada a diferença nas classes sociais. O menos favoráveis, os que possuíam menos dinheiro, eram aqueles que trabalhavam incessantemente nas fábricas, enquanto os mais ricos enriqueciam cada vez mais em função deste trabalho.
    O auto desenvolvimento permitiu que as nações se relacionassem entre si, tanto economicamente, quanto intelectualmente. O mercado exterior foi altamente valorizado, e as relações de troca de mercadorias foram cada vez mais constantes. Cada nação poderia então estar interligada, uma oferecendo a outra o que tinha de melhor, o que possuía. Porém, como já foi citado, esse auto desenvolvimento não atingiu a todos.. Apenas a classe burguesa recebeu os privilégios dessas mudanças da modernidade.

  80. Anónimo diz:

    Tanto no quadro quanto na citação, temos um retrato das mudanças profundas na sociedade que foram resultantes do movimento modernista. A tecnologia e o auto desenvolvimento proporcionaram um enriquecimento da sociedade. Porém, esse crescimento não atingiu a todas as pessoas, pois foi acentuada a diferença nas classes sociais. O menos favoráveis, os que possuíam menos dinheiro, eram aqueles que trabalhavam incessantemente nas fábricas, enquanto os mais ricos enriqueciam cada vez mais em função deste trabalho.
    O auto desenvolvimento permitiu que as nações se relacionassem entre si, tanto economicamente, quanto intelectualmente. O mercado exterior foi altamente valorizado, e as relações de troca de mercadorias foram cada vez mais constantes. Cada nação poderia então estar interligada, uma oferecendo a outra o que tinha de melhor, o que possuía. Porém, como já foi citado, esse auto desenvolvimento não atingiu a todos.. Apenas a classe burguesa recebeu os privilégios dessas mudanças da modernidade.

  81. Débora Almeida nº 06 3ºB Bentão diz:

    Com a Modernidade, novas necessidades foram surgindo e era preciso supri-las, buscando os mercados internacionais.
    A modernidade trouxe a industrialização, trouxe a forte burguesia e a colocou como comandante da sociedade. As indústrias foram criadas e nelas, pessoas de todas as nacionalidades trabalhavam. É como se o quadro da Tarsila do Amaral fosse uma representação simbólica do comentário de Karl Marx.
    As indústrias, a mistura de pessoas, a “união” de todas as partes do mundo, surgiram com a Modernidade.

  82. alex tavares Nº01 3F bentão diz:

    Há uma relação entre a modernidade e a obra,é que ha vários tipos de pessoas de culturas diferentes,etnias diferentes que moravam em áreas rurais e todas elas abandonam seu modo de viver para irem as cidades urbanas que estão em crescimento,como mostra na figura ao fundo uma fábrica que era criticada por marx que dizia que os funcionários eram tratados como objetos,e que sempre era visado só o lucro.Tarsila também faz a critica ao capitalismo mostrando no quadro pessoas parecidas como se elas não tivessem valor só servissem para gerar lucro a industria.

  83. Yuri G. Grillo, nº30, 3ºF diz:

    Marx afirma que o operário era nada menos que uma ferramenta de trabalho. No quadro de Tarcila do Amaral, a indústria ao fundo significa a classe burguesa, na frente, os operários sendo controlados pela burguesia. Pode-se perceber as diferentes etnias de trabalhadores. Isso se dá pelo fato da época da industrialização ter unido vários tipo de pessoas.

  84. Victor Silvani - nº28 - 3ºF - BENTÃO diz:

    Segundo Karl Marx, os países deixariam de atuar e se desenvolverem por si só e passariam a contar com a industrialização de outros países, gerando assim uma teia para troca de informações, capitais e culturas, o que na verdade é a realidade de hoje em dia. No quadro de Tarsila do Amaral está bem representado essa citação feita pelo sociólogo, podemos facilmente perceber ao lado de uma indústria, vários tipos de etnias, vindos do continente asiático, africano, europeu, etc.
    Esse tipo de comunicação e troca de mão de obra, culturas e técnologias, tráz consigo prós e contras. O ponto favorável pode ser identificado na forma com que o país e a sociedade se desenvolve assim como o país sede de uma determinada indústria, tanto na área financeira e estrutural quanto em qualidade do produto a estar sendo desenvolvido. Entretanto, há um problema que muito provavelmente muitas pessoas de hoje em dia passam, que é o fato da distância que estão de seus familiares e pelas péssimas condições de trabalho dados a eles, um exemplo é a China, país desenvolvido que ainda sim possui longas jornadas de trabalho e com baixa remuneração salarial, podemos citar também a Inglaterra, país que mesmo com grande desenvolvimento, também possui varios estrangeiros tendo que enfrentar várias jornadas de trabalho, afim de ajudar a família.

  85. Erick Tamura n°10 3°F - Bentão diz:

    Karl Marx fala que o operário era visto apenas como uma ferramenta de trabalho e não como um cidadão, e sua função é produzir lucro. No quadro de Tarsila do Amaral mostra que vieram de várias regiões do mundo imigrantes para trabalharem, na fabrica do quadro há chamines e predios onde possivelmente os imigrantes trabalharam para obter lucro aos seus empregadores.

  86. Ricardo Vannucchi Pierre n° 23 - 3°F - Bentão diz:

    Na citação de Karl Marx, ele critica como a industrialização foi feita, e como os operários eram tratados, como objetos, não tinha relação patrão com operário, e o principal objetivo era visar sempre o lucro, produzindo cada vez mais e mais. No quadro, a Tarsila do Amaral critica o capitalismo que mostra os rostos sobrepostos e critica a impressão capitalista de as pessoas serem todas iguais, e deixar de lado as diferenças, servem apenas para fazerem o trabalho e gerarem lucro para a industria.

  87. Fillipe Stech Ruzza; Nº 11; 3º A diz:

    Para Karl Marx o funcionário foi transformado em uma ferramenta de trabalho do capitalismo, não trantando-os mais como pessoas e sim como objetos, isso é bem retratado no quadro de Tarsila do Amaral, algumas pessoas sem expressões faciais e outras triste, retratando assim a vida do brasileiro moderno. O capitalismo foi transformado em um sistema, esse sistema obriga as pessoas trabalharem como maquinas e produzirem em massa.

  88. Marcelo Barbosa Filho n°23 3°A - Bentão diz:

    Ao analisar o texto de Karl Marx podemos ter uma noção de como foi instituida a globalização, a universalização que derrubou qualquer fronteiras, pois, com a necessidade de se ter produtos cada vez mais diferentes e que possam sanar qualquer necidades, por um baixo custo e uma boa qualidade, é preciso que sejam trazidos de fora esse produto, fazendo assim uma universalização da produção, uma expansão das fronteiras que antes era tão estreitas na produção e hoje em dia tem uma diversificação para o mercado. São citados tambem outros aspectos da globalização e tambem da industrialização que se tornou uma constante icognita nos tempos contemporaneos. Descrita no quadro de Tarsila de Amaral, a industrialização vem sendo cada vez mais cotadas nos dias de hoje, e é dificil achar alguma região em que ela não tenha modificado drasticamente seu ambiente, agindo mutuamente com a globalização presente no quadro de Tarsilla também que mostra como o mundo se torna cada vez mais unido, sem preconceitos e com a junção das raças e etnias.

  89. Gustavo Henrique B. Luiz, nº 14 - 3º A - Bentão diz:

    Na citação de Karl Marx, ele quer dizer que as pessoas, não importa as etnias, seguem a burguesia e seguem sua produção, sustentando a mesma. O quadro de Tarsila do Amaral representa a mesma coisa, a população é “forçada” a seguir a burguesia.

    Gustavo Henrique B. Luiz, nº 14 – 3º A
    Etec Bento Quirino

  90. Layla Garcia Cortizo n°20 3°A diz:

    Layla Garcia Cortizo n°20 3°A :)
    Karl Marx critica a forma que ocorreu a industrialização pois o operário era visto apenas como um objeto de produção e não como uma pessoa, seu objetivo era produzir mais, visando lucros maiores para a industria, no quadro de Tarsila do Amaral os rostos sobrepostos dão a impressão que para o capitalista as pessoas são todas iguais e devem ser desprezadas nas suas diferenças, servem apenas para atender a demanda que vinha crescendo a cada dia.

  91. Geovane Lemos de Assis ; N°12 ; 3°A diz:

    Para Karl Marx, o avanço da modernização foi nescessária para a demanda de novos produtos
    O Quadro de Tarsília do Amaral demonstra imigrantes de várias regiões do mundo,como a Ásia e a África, todos operários que são apenas uma “peça” para o capitalismo e o avanço da modernidade

    Geovane Lemos de Assis N°12 3°A
    ETEC Bento Quirino

  92. José Oswaldo Luizon Netto, nº 19 3º:A diz:

    O quadro de Tarsila do Amaral, e a citação tem muitas coisas em comum, no quadro existe uma fabrica ao fundo representando a produtividade burguesa incorporada á sosciedade, e varios operários no quadro representando a interdependência dos produtos pois povos devarios lugares estão unidos em uma fabrica apenas, para produzir os novos produtos manufaturados, e intercambias pois o produto produzido naquela fabrica irá para todos os lugares do mundo.
    Os burgueses introduziram seu modo de viver em todas as sosciedades desde ás mais simples até as mais modernas e, barbaras

  93. Raquel F. P. nº 26 3ºA - Bentão diz:

    Raquel F. P. nº 26 3ºA

    De acordo com Karl Max com o aperfeiçoamento dos instrumentos de produção, com o surgimento das indústria, os trabalhadores passaram a ser visto como instrumento de trabalho, ou seja, eram parte da indústria em uma visão capitalista. Reconsiderando aspectos éticos e morais. No quadro de Tarsila do Amaral, observamos vários rostos de diferentes caracteríscas, uma população diversificada mas ao mesmo tempo ligada ao capitalismo, a indústria sem nenhuma diferença. Todos subordinados ao trabalho, a indústria e principalmente a um mundo capitalista.

  94. Vinícius Macedo 3ºA nº 34 diz:

    O quadro foi feito em uma época em que a revolução industrial estava se difundindo pelos países, e chegando em São Paulo, a Revolução industrial foi um período no qual os cidadãos tendo acesso a diversos produtos no mercado,cada vez mais queriam mais produtos diversificados, e não se saciavam,então, suas necessidades e desejos foram mudando.
    Isso pode ser bem exemplificado no trecho “…Ao invés das antigas necessidades, satisfeitas pelos produtos nacionais, surgem novas demandas, que reclamam para sua satisfação os produtos de regiões mais longínquas e de climas os mais diversos.”
    Além dos produtos de diversos locais, podemos fazer relação com o quadro te Tarsilla, que nos mostra rostos bem diferentes, o que nos faz pensar na grande porção de imigrantes que vieram nesta época.

    Vinícius Macedo 3ºA nº 34

  95. cesar augusto n8 3° a diz:

    a sociedade de hoje e a de algum tempo atras, mostra-nos a dependencia que criou-se de outros paises, o Brasil mostra muito isso , a dependencia de outros paises que o Brasil exporta e a dependencia do Brasil do capital estrangeiro .Hoje todo o mundo esta assim exportando e importando muito , hoje se trabalha-se não para atender apenas seu país e sim exportar para o mundo inteiro assim se torna-mos escravos do capitalismo, e esse ciclo vai continuar e acredito que aumentar pois hoje os meios de transportes estão mais eficazes, isso aumentará a dependencia de país de outro país num ciclo sem fim.

  96. Leva-los até o Laboratório de Informática para que pudessem refletir e responder a questão proposta tem feito muito bem! Elas estão cada vez melhores! Sigam assim, no caminho da reflexão mais profunda, superando as respostas anteriores, pois desta maneira seguirão no diálogo/debate.
    Festi

  97. Beatriz Paschoal, nº 03 - 3ºE diz:

    De acordo com as citações de Karl Marx, estão surgindo novas demandas, que pedem cada vez mais produtos, das mais diversas localizações mundiais, as nações se tornaram auto-suficientes, e cada país tinha sua “literatura”, que foram se juntando com as de outros países, e formaram uma literatura universal, ou seja, com a industrialização, cada país tinha um pequeno tipo de indústria, que unidas, formaram uma industrialização universal. E isso está bem representado no quadro “Operários” de Tarsila do Amaral, em que ela mostra que a vida já girava em torno das indústrias, o mundo estava consumindo cada vez mais, e mais, o início do capitalismo, o surgimento da globalização, que causa essa junção universal, em que todos seguem a mesma moda, e produzem as mesmas coisas. E para tudo isso acontecer, era necessário trabalhadores nas indústrias, o que Tarsila mostra em seu quadro, trabalhadores e mais trabalhadores, em busca de evoluir junto com o mundo, dentro das indústrias.

  98. Aline Gargantini, Nº02, 3º ano A diz:

    Para Karl Marx, o operário era visto como simples objeto de trabalho, como um simples trabalhador dentro do capitalismo. Não existia preocupação com o aspecto moral e/ou social do operário, o mundo capitalista só o enxerga como um “instrumento” que deve receber somente o necessário para ser capaz de produzir.
    Na citação ele faz referência ao universalismo, e as criações intelectuais da população como senso comum, ou seja, as pessoas começam a sujeitar-se ao capitalismo, não há mais nenhum tipo de análise crítica por parte da população, ela apenas começa a seguir o modelo que lhe foi imposto. Esta análise também pode ser realizada em Tarsila do Amaral, no seu quadro ela mostra a grande diversidade étnica e cultural dos operários da fábrica, mas, ao mesmo tempo, podemos observar a grande inexpressividade no rosto de cada um, o que reforça a ideia da grande “subordinação” ao mundo capitalista.

  99. Caio Henrique Rodrigues nº05 3ºC diz:

    Caio Henrique Rodrigues, Nº 05- 3ºC
    Os dois tem em comum a expansão do Capitalismo, do modo burgues. O quadro de Tarsila do Amaral mostra muitos imigrantes, e logo ao lado uma grande fábrica, mostrando que a burguesia de uma certa forma consegue obrigar “os outros” à seguir seu padrão.
    E isso obriga que todas as culturas, etnias busquem o trabalho, que acaba virando uma necessidade, e este trabalho é comandado pela burguesia ( Industrias).
    E isso acaba tomando todas as etnias de uma forma repentina.

  100. Renan S.Guedes, Nº26 - 3ºC diz:

    O modernismo foi uma fase de mudanças e universalização. ‘’ No lugar do antigo isolamento de regiões e nações auto-suficientes, desenvolvem-se um intercambio universal e uma universal interdependência das nações’’ essa citação de Marx é bem vista no quadro de Tarsila do Amaral, uma miscigenação de etnias. Essa mistura é devida a busca da população de novos produtos,novas necessidades, gerando uma cede de produção, assim juntando pessoas de vários países subordinadas ao modo de produção burguês.

  101. Mateus Cândido, Nº 25, 3ª E, Etec Bento Quirino diz:

    Karl Marx fala em uma sociedade influenciada pela burguesia, da ênfase ao poder que ela tinha de influenciar os demais, arrastando-os para seu lado. Ele discute também a universalidade do mundo, ou seja, um mundo para todos, de todas as etnias.
    Tarsila do Amaral em seu quadro demonstra a mistura de etnias e a influencia da Burguesia, só ela faz isso utilizando a classe de operários, que trabalham segundo o quadro, de acordo com os interesses da Burguesia.

  102. Guilherme O. 3F EBQ diz:

    A relação está na mistura de etnias, e também no que diz respeito a burguesia acabar por empurrar todos os tipos de civilização para um único tipo civilização, forçando a um padrão. Esse padrão acaba sendo forçado pois (segundo Marx) há necessidades de produtos que não podem ser atendidas localmente e num mundo globalizado uma integração acaba por não ser apenas comercial, mas também cultural e com uma tendencia de domínio de uma cultura que consegue ser mais competitiva.

    No quadro de Tarsíla podemos obeservar uma civilização (principalmente a classe do proletáriado) com uma mistura de etnias,Também podemos observar no quadro expressões de desânimo, insatisfação.

    Na obra de Marx é visto que surge novas necessidades de produtos que não podem ser satisfeitas apenas com a produção local. Isso gerou então uma interdependência universal, não só em relação a produção de produtos mas também a produção intelectual. Marx ainda faz referencia aos baixos preços de produtos da China que acaba por forçar todo o mundo a seguir seu modelo: “Em uma palavra, cria um mundo à sua imagem e semelhança”.

  103. Gabrielle Trotti nº10 , 3ºB diz:

    Tanto na citação de Karl Marx, quanto no quadro de Tarsila, é representada a questão da indústria, que é um importante símbolo da modernidade, algo que mudou totalmente o estilo de vida das pessoas. Além disso, a interação entre indivíduos de diferentes nações passou a ser muito maior, transformação que também é falada no texto,quando ele diz à respeito do constante progresso dos meios de comunicação, e retratada na pintura, através das faces com características de todas as partes do mundo. Acredito que a principal ideia através da qual consigo relacionar a citação e a obra “Operários”, é a de que a modernidade e suas consequências, como os avanços tecnológicos, foi algo que envolveu a sociedade como um todo, inserindo-a num momento novo, marcado pelo trabalho nas fábricas, pela alta produção, em todas as civilizações .

  104. Heitor A. M. Pires , nº 15 - 3º A diz:

    O quadro de Tarsila do Amaral é um retrato do conjunto de operários das fábricas, os rostos sobrepostos remetem à massificação do trabalho e às condições de vidas nas cidades. Que de acordo Marx , que faz uma dura crítica ao modo de produção capitalista e à forma como a sociedade se estruturou através dele.

    Heitor A. M. Pires , nº 15 – 3º A
    Etec Bento Quirino

  105. Vinicius Portapila nº32 - 3ºC diz:

    Karl Marx demonstra uma certa relação com o quadro de Tarsila de Amaral, pois retrata a modernidade onde a maioria das pessoas que eram camponesas e trabalhavam no feudo, foram obrigadas a deixar o campo e ir trabalhar nas industrias que eram comandadas pelos burgueses no quadro mostra pessoas de varias etnias juntas que foram obrigadas a ir trabalhar nas fábricas, nessa época o crescimento das cidades foi muito grande e a decadencia no campo foi se agravou e fez os camponeses irem trabalhar nas cidades.

  106. Vinicius Portapila diz:

    Karl Marx demonstra uma certa relação com o quadro de Tarsila de Amaral, pois retrata a modernidade onde a maioria das pessoas que eram camponesas e trabalhavam no feudo, foram obrigadas a deixar o campo e ir trabalhar nas industrias que eram comandadas pelos burgueses no quadro mostra pessoas de varias etnias juntas que foram obrigadas a ir trabalhar nas fábricas, nessa época o crescimento das cidades foi muito grande e a decadencia no campo foi se agravou.

  107. Alander Queiroz Gomes, nº 36 - 3º D diz:

    No quadro de Tarsila, fica claro como pessoas de varias etnias entram no processo de globalização. O sistema de produção ”sufoca” os operarios e o forçam a seguir seu modo de produzir, essa produção se deve ao aumento do mercado, que gera novas necessidades. Como citado na passagem de Marx o antigo lugar que era isolado, hoje dá lugar a dependencia das nações que por sua vez tem como objetivo a globalização.

  108. Helio Tirico nº12 3°D diz:

    Segundo Marx a industrialização ocorrerá no mundo todo, maior e mais fácil comunicação entre o mundo e Tarsila representa o mundo todo trabalhando junto para unir os pontos fortes e superar os pontos fracos, assim juntado toda a equipe promovendo um ótimo trabalho.

  109. Rodrigo Nery de Né, Nº 25 3ºD diz:

    Segundo Marx haveria um fomento nas relações globais, ou seja, haveria uma comunicação maior entre diferentes pessoas do mundo todo. No quadro de Tarsila do Amaral, brilhante pintora brasileira, é possível notar essa relação entre diferentes etnias em uma só região.

  110. Naiara Lobato - nº34 - 3ºB diz:

    Com o capitalismo a indústria cresce e as necessidades aumentam, tendo necessidade de expansão , assim criando uma relação de intercâmbio, tanto na forma de produzir como no intelectual.
    Podemos relacionar as idéias de Marx na relação de intercâmbio, no modo de produzir. Os operários e várias etnias como mostra no quadro. De modo que a fábrica e a organização da sociedade.

  111. Nathália nº24 3ºB diz:

    No quadro “Operários” há trabalhadores de todas as etnias. Parece-me que o mundo todo do séc. XIX e XX está representado ali, envolvido pelo clima funesto da fábrica. Relacionando o quadro de Tarsila do Amaral com a citação, é possível estabelecer conceitos comuns sobre a modernidade. Tanto o quadro quanto o texto, expressam o universalismo que o “aperfeiçoamento dos instrumentos de produção e o constante progresso dos meios de comunicação” pela burguesia trouxeram à sociedade, e também demonstram uma opinião negativa sobre esse universalismo que obriga “todas as nações a adotarem o modo burguês de produção.

  112. João Vitor Vital - nº14 - 3ºB diz:

    A relação entre o quadro da Tarsila do Amaral e a citação está muito presente no nosso dia-a-dia, no qual vemos pessoas de diversas etnias e países, trabalhando juntos para promover o desenvolvimento mundial,mas nem sempre o benefício gerado é direcionado para eles, e sim para aqueles que tem mais poder. Esse multilateralismo decorrente da globalização provocou um estreitamento das relação entre os países. Marx dizia que com a criação das máquinas, ou seja,com o desenvolvimento da indústria, as pessoas teriam mais tempo para a família e para si próprio, mas o que ocorreu foi o contrário, pois as horas de trabalho aumentaram, pois a produção era mais rápida, e como consequência o aumento da produção.

  113. Renan Sabalo N°28 - 3°B - Etec Bento Quirino diz:

    Segundo Marx com o rápido aperfeiçoamento dos instrumentos de produção e o constante progresso dos meios de comunicação devido ao desenvolvimento a burguesia acaba arrastando para o que chamamos de civilização todas as pessoas do mundo, ou seja, ela acaba que necessariamente obrigando a todos o seu modo de produção fazendo assim o mundo ir tornando-se a sua semelhança aonde só há o benefícios de alguns.
    Olhando para o quadro vemos que os operários são todos de etnias diferentes, ou seja, implica a ideia que todos são funcionários independentemente de sua etnia num mundo aonde o que define as diferenças são as classes sociais em que cada pessoa irá se encaixar.

  114. Lucas Chiconini , n° 19 - 3°B diz:

    Karl Marx disse que surgiria um intercambio universal e uma universal interdependência das nações, ou seja, universalização, assim as nações dependeriam umas das outras , e com a força da burguesia crescendo e a constante busca pelo dinheiro, as pessoas de vários lugares migrariam para um só local para trabalhar, e é isso que o quadro mostra, várias pessoas de etnias diferentes juntas em uma só fábrica.Todos seguindo o mesmo modelo de produção.

  115. João Pedro Nº 13 3º B Etec Bento Quirino diz:

    No quadro há várias pessoas de várias etnias, como negros, brancos, indígenas, etc.
    E é o que Marx diz sobre q a burguesia trouxe a torrente civilização obrigando outras etnias se tornarem burgueses.

  116. JOSÉ Geraldo de Camargo Alves, nº15; 3ºB - ETEC BQ diz:

    Segundo Marx o progresso da sociedade só seria capaz apos a união das diferentes raças,etnias em torno de um mesmo objetivo.E os burgueses com seus métodos levam as pessoas a seguirem seus métodos de negócios transformando assim a sua doutrina universal.No quadro de Tarsilia do Amaral ela segue o mesmo pensamento de Marx,ou seja somente a união dos povos faria uma nação conseguir um grande desenvolvimento.

  117. Letícia Cassela, nº18 - 3ºB diz:

    O Modernismo criou uma Universalização no mundo, Karl Marx que defendia o Capitalismo e a Burguesia disse: “a burguesia arrasta para a torrente da civilização todas as nações, até mesmo as mais bárbaras.” E no quadro de Tarsila do Amaral ela representa isto também, juntando pessoas de várias etnias como operários de uma mesma empresa.

  118. Bruna Marcondes Nº2 3ºB diz:

    As industrias foram um marco na era moderna, o inicio da modernidade, no quadro de Tarsila do Amaral estão representadas pessoas de várias etnias, o que leva a crer que são de vairas partes do mundo, e no texto de Marx ele diz que “No lugar do antigo isolamento de regiões e nações auto-suficientes, desenvolvem-se um intercambio universal e uma universal interdependência das nações. Ou seja, que todas as nações se juntaram quando as pessoas começaram a interagir, principalmente a partir do momento em que as pessoas vão trabalhar em industrias com pessoas de todos os países.

  119. Danilo nº5 3ºB Bentão diz:

    Marx diz que a industrialização vai atingir todo mundo e Tarsila do Amaral representa isso em seu quadro ao mostrar varias pessoas diferentes como operários, inclusive as mulheres.

  120. Camila Cremasco,Nº4 3ºB diz:

    No quadro,há a apresentação de vários trabalhadores de etnias diferentes,assim como citado no texto de Karl Max,a burguesia,a industrias o desenvolvimento do capitalismo realiza esse intercambio de pessoas entre fábricas,mudanças que acontecem devido a necessidade de se introduzir ao mundo burgues.

  121. Felipe Bonafé Sanches n°35 3ºE - Bentão diz:

    Para Marx o que unia a sociedade , eram as industrias , segundo ele ” desenvolvem-se um intercambio universal e uma universal interdependência das nações” , isso quer dizer que a sociedade utilizava as industrias para unir etnias e pessoas em torno dela , com isso o desenvolvimento da sociedade era mais rapido e gradativo

  122. Otávio Luís Alves Oliveira Nº 27 3ºE - Bentão diz:

    Tanto Marx quanto Tarsila, compreenderam que somente com a união do proletariado a sociedade poderia evoluir. Que a indústria é o plano de fundo para que o desenvolvimento da nação. E tendo assim a conciliação dos trabalhadores com os industriais, uma “escada” para a “melhoria” do pais. Assim como representa o quadro de Tarsila.

  123. Caio L. Stucki n°6 - 3°E - Etec Bento Quirino diz:

    Karl Marx acredita que na modernidade a burguesia arrasta todas as pessoas, sem depender de raça, cor, crença e etnia, essas pessoas começam a trabalhar em uma área moderna, que é a fabrica. O quadro de Tarsila do Amaral representa essa diversidade de etnias, todos trabalhadores industriais, e representa também a grande quantidade de pessoas que a fabrica trazia para o trabalho. Um exemplo desse pensamento de Marx esta expresso nesse trecho do texto “[...] a burguesia arrasta para a torrente da civilização todas as nações, até mesmo as mais bárbaras.”

    Caio L. Stucki n° 06 – 3°E
    Etec Bento Quirino

  124. Bianca D. Carvalho n°04 3°E diz:

    A relação entre a citação e o quadro da Tarsila do Amaral é que, no quadro podemos notar pessoas de diferenças traços, o que nos faz pensar que são de vários locais e etnias. E é exatamente isso que é dito na citação, Karl Marx diz que a burguesia trouxe para a torrente da civilização todas as etnias e os obriga a tornarem-se burgueses.

  125. Felipe B. Mori, Nº 10, 3º E diz:

    Em minha análise, pude ver que no quadro de Tarsila do Amaral podemos entender que como Marx dizia existem muitas etnias vivendo uma mesma realidade e pessoas de diferentes classes sociais se correlacionam em um mesmo ambiente social. Pude ver que independente das inovações industriais, uma constante da sociedade é que sempre teremos uma população toda a qual deveria impulsionar e opinar em nossas indústrias.

  126. Vitor S. Palhares nº 34 diz:

    Na citação de Marx ele diz que “a burguesia arrasta para a torrente da civilização todas as nações”, e “Sob pena de ruína total,ela obriga todas as nações a adotarem o modo burguês de produção”. Relacionando essas frases com o quadro de Tarsila do Amaral, pode-se afirmar que após o domínio mundial do capitalismo, todos se tornaram operários, pois existe uma variedade de etnias no quadro.

  127. Gabriel Nº 11 - 3ºE diz:

    Na citação de Marx em que o blog demonstrou fica evidente o fato de que Marx que nesse mundo cada vez mais capitalista surgem todos os tipos de pessoas trabalhando num mesmo determinado lugar com podemos ver no quadro de Tarsila de Amaral onde o quadro dela “operários” fica exposto que com esse modernismo todos poderão ser operários independentemente de sua nacionalidade.

  128. Bruno Cesar , nº5 - 3ºE diz:

    A relação entre o quadro da Tarsila do Amaral (“Operários”) a e citação de Karl Marx , é a disputa entre classes sociais , a burguesia contra a classe operária desfavorecida. Quando Marx fala : “…a burguesia arrasta para a torrente da civilização todas as nações, até mesmo as mais bárbaras.” , ele se refere aos operários , de todos os tipos de etnias , assim como mostra no quadro da Tarsila do Amaral. Marx descreve tudo que a burguesia impõe as classes sociais mais baixa , para alcançarem a ascensão de classe , e ficarem a sua semelhança.

  129. Luis Guilherme, nº22 3ºE diz:

    Observando-se o quadro de Tarsila do Amaral, percebe-se que estão reunidos povos de várias etnias em um só lugar, o que tem relação com o texto de Karl Marx, pois segundo ele, as fronteiras estão sendo rompidas (indicios do inicio da globalização). Isso significa que começa a ocorrer uma uniformidade do trabalho: a nacionalidade nao importa mais, e é por isso que dentro de uma empresa ja podem ser encontradas pessoas de etnias diferentes.

  130. Marília P. Santos, nº24 - 3ºE diz:

    A relação entre a imagem e a citação se faz ao refletirmos que os dois têm um mesmo objetivo, demonstrar que a Modernidade trouxe ao mundo a proximidade, países que antes não se comunicavam, hoje estão próximos, graças à Globalização, à Revolução Industrial, à Tecnologia. A Modernidade fortaleceu essa mudança.
    Hoje, talvez não exista quem não se encaixe em nenhum dos parâmetros dados pelas mudanças atuais, pois é algo introduzido na sociedade, que os homens já nem percebem estar colocados. A tendência é que isso continue e aumente, pois os avanços tecnológicos e o crescimento econômico têm esse ritmo.

  131. Mailson Silva , nº 23 - 3º E diz:

    ” desenvolvem-se um intercambio universal e uma universal interdependência das nações”
    Neste trecho citação de Karl Marx ele se relaciona com o quadro da Tarcila de Amaral , pois nele mostra diversas etnias e juntos ao redor de uma fabrica mostrando o que tem acontecido no mundo, que nações e etnias não são mais fronteiras hoje em dia , que tudo o que é pensado e produzido passa a ser um bem comum.

  132. Taynna Martins, nº28; 3ºC - ETEC BQ diz:

    Como Marx cita, todos por mais fortes que fossem tiveram que se render ao universalismo, os custos de mão de obra abaixaram e dos produtos também, a burguesia tomou conta de toda a economia, perde-se a cultura étnica de cada povo e sua singularidade. No quadro de Tarsila temos a representação da perca dessa cultura e singularidade, onde há uma mistura étnica na classe operária, onde abriram mão e se renderam ao universalismo a custos mínimos a seus patrões, não por vontade própria, mas para sobrevivência.

  133. Thaís Genesini, n° 29, 3° C - ETEC Bento Quirino diz:

    Na citação de Marx, ele diz que a burguesia era o principal instrumento de união das nações. Para ele isso ocorria através do rápido aperfeiçoamento dos instrumentos de produção e o constante progresso dos meios de comunicação, que transformou nossa sociedade em algo homogêneo e globalizado no que se diz referente á produção e indutrialização,
    No quadro de Tarsila, há referência dessa globalização trazida pela burquesia quando se vê pessoas de várias etnias representando os trabalhadores que trabalhavam em função dessa produção da vida, a qual os principios básicos eram produzir mais (devido a mecanização) em menos tempo e acumular capital.

  134. Arthur Joabo Pera, Nº 2; Gabriela Katz, Nº 10; 3ºC diz:

    Podemos fazer referência do quadro de Tarsila do Amaral com o comentário e a citação de Karl Marx acima, comparando as diversas etnias dos operários representados na obra com o ponto de vista quanto a imposição da burguesia para submeter as diferentes nações à civilização, que reflete na industrialização e logo, ao modernismo. Podemos também citar o fato da produção e das características do mundo moderno facilitarem juntos, a disseminação de determinada cultura para diferentes localidades, através da importação de mercadorias.

  135. Caio Fernando , 3ºC , nº 04 diz:

    O quadro de Tarsila se relaciona com a citação de Marx com a reunião de diferentes pessoas e etnias em volta das indústrias , que para Marx tudo era juntado pela industrialização e comandado pela classe predominante, a burguesia.

    Caio Fernando , 3ºC , nº 04

  136. Caroline Oliveira n°6, 3°C Bentão diz:

    A citação de Marx podemos observar a questão da dependência decorrente do aperfeiçoamento dos meios de produção, gerando assim, um intercâmbio universal em relação a todos os tipos de produção. No quadro de Tarsila do Amaral, podemos observar o universalismo em sua forma prática, pessoas de diferentes localizações reunidas para um só proposito, produzir mais. A imagem da fábrica ao fundo demonstra as mudanças de métodos produtivos e como isso afetou de certo modo a sociedade.

  137. Leonardo Pitton, n° 16, 3° C - ETEC Bento Quirino diz:

    Pelo texto de Marx pode-se observar o universalismo dos produtos e a setorização da produção mundial, ou seja, cada país, de acordo com suas características, se mantém preso a confecção um ou poucos produtos mais viáveis e produtivos para si. Isso leva a uma dependência dos países de uns com os outros, sendo positivo devido a estreitamento das relações internacionais e negativo devido a inexistencia da auto-suficiência de cada país por si só.
    Relaciona o quadro, pois nele, há a presença de diversas etnias diferentes demonstrando o universalismo, até mesmo, o que chamamos hoje, de globalização. Os operários do quadro representariam a indústria do “mundo”, onde todos os países, todas a etnias participariam juntas para a construção e manutenção da Terra quanto comércio e produção.

  138. Renan Gutierrez Trava, N°27 - 3°C - Etec Bento Quirino diz:

    Na citação de Karl Marx com o rápido aperfeiçoamento dos instrumentos de produção e o constante progresso dos meios de comunicação, a burguesia leva para a civilização todas as nações.No quadro de Tarsila do Amaral, demonstra varias pessoas de diferentes culturas juntas, podendo fazer referencia a Marx, demonstrando que a burguesia uniu muitas culturas.

  139. Daniela Almeida Vega, n°09, 3°E Etec Bento Quirino diz:

    A citação de Karl Marx se refere ao modernismo uma fase marcada pela libertação da estética, independência cultural do país e pricipalmente o rompimento com o tradicional tanto na arte, como na literatura e na sociedade quando os burgueses trouxeram pessoas de vários países para trabalharem, porcausa do rápido desenvolvimento nas indústrias onde a demanda pedia produtos diferentes, ocorrendo essa miscigenação, e podemos perceber bem essa diferença de raça e etnias na obra ”Operários ” de Trasilla do Amaral, que foi um dos artistas que participou do movimento da semana da arte moderna, mostrando o diferente, saindo do tradicional como essa mistura dos povos que não era considerado uma coisa ”normal”.

  140. Carolina Corrêa Remédio, nº 04 - 3º D diz:

    Tanto o texto quanto o quadro ressaltam a urbanização da época, o uso da tecnologia para a fabricação em massa. Os produtos nacionais não bastavam e, portanto, começou a surgir a interdependência entre as nações.
    A partir disso se desenvolveu a classe operária, e com a divisão das classes sociais veio a burguesia, que tinha o poder sobre as indústrias (como é representada no quadro) e consequentemente sobre os trabalhadores. Estes eram de diferentes etnias e se juntavam numa só classe que era tratada como objeto e propriedade da burguesia.

  141. Etec Bento Quirino - Letícia Ap. Souza 3ºD diz:

    Primeiramente, o modernismo surgiu na última década do século XIX, causando muitas mudanças, tanto nas indústrias quanto na sociedade, provocando o desenvolvimento das indústrias, a divisão da sociedade e transições na literatura e na arquitetura, com isso ocorreu o surgimento da burguesia. O modernismo no Brasil teve como marco incial a realização da Semana da Arte Moderna, que era formado por um grupo de artistas que pretendiam trazer reflexões sobre a realidade social e sociopolitica, Tarsila do Amaral jundo de outros, marcaram a semana da arte moderna em 1922.
    A citação de Karl Marx e o quadro “Operários” de Tarsila do Amaral, mostram algumas mudanças do modernismo, onde apontam a realidade da sociedade, as diferentes raças,etnias, mistura de povos, indicando que a individualidade vai se perdendo cada vez mais, e as fábricas estão representando a burguesia, o desenvolvimento das indústrias, e o crescimento das cidades, mostrando também que não é preciso viver e se sentir satisfeitos apenas com produtos nacionais, sem procurar a melhoria, e com o desenvolvimento do intercâmbio universal e uma universal interdependência entre as nações, ocorrerá mais rapidez na produção tanto material quanto intelectual.

  142. Letícia diz:

    Etec Bento Quirino – Letícia Ap. Souza 3ºD

    Primeiramente, o modernismo surgiu na última década do século XIX, causando muitas mudanças, tanto nas indústrias quanto na sociedade, provocando o desenvolvimento das indústrias, a divisão da sociedade e transições na literatura e na arquitetura, com isso ocorreu o surgimento da burguesia. O modernismo no Brasil teve como marco incial a realização da Semana da Arte Moderna, que era formado por um grupo de artistas que pretendiam trazer reflexões sobre a realidade social e sociopolitica, Tarsila do Amaral jundo de outros, marcaram a semana da arte moderna em 1922.
    A citação de Karl Marx e o quadro “Operários” de Tarsila do Amaral, mostram algumas mudanças do modernismo, onde apontam a realidade da sociedade, as diferentes raças,etnias, mistura de povos, indicando que a individualidade vai se perdendo cada vez mais, e as fábricas estão representando a burguesia, o desenvolvimento das indústrias, e o crescimento das cidades, mostrando também que não é preciso viver e se sentir satisfeitos apenas com produtos nacionais, sem procurar a melhoria, e com o desenvolvimento do intercâmbio universal e uma universal interdependência entre as nações, ocorrerá mais rapidez na produção tanto material quanto intelectual.

  143. gustavo mathias, nº11, 3°c-bentao diz:

    O modernismo marcou com o desenvolvimento das industrias e com a divisão da sociedade em classes sociais, onde surgiu a burguesia. A sociedade esta se comunicando mais onde causou inúmeras mudanças nela. Na citação e no quadro vemos as mudanças onde varias pessoas estão juntas, no entanto pode ser visto que todos não são idênticos, assim mostrando as diferenças de etnias. Nelas as fabricas são a representação da burguesia.No caso Marx acreditava que com a máquina as pessoas teriam mais tempo para ficar com a família, mas sim o contrario com a chegada das maquinas, as pessoas começaram a produzir mais rápido, assim acabavam produzindo em maior escala e com mais qualidade, mesmo com as maquinas eles continuavam sem tempo pra família.

  144. Carolina Ribeiro Pedrasi nº05 - 3ª série D diz:

    A relação do trecho da obra “Manifesto Comunista” de Karl Marx com o quadro “Operários” de Tarsila do Amaral se consiste na padronização do mundo, que foi intimado a se moldar conforme os novos modelos de produção. Sendo assim, a sociedade que antes era capaz de sobreviver com os produtos nacionais e com a lentidão dos meios produtivos se viu obrigada a desejar novos produtos, e maior rapidez nos processos, pois na modernidade um país é interdependente do outro, tanto na produção material, no caso das importações e exportações, como na produção intelectual, como descreve Karl Marx em sua obra. Em minha opinião, ocorre uma perda da individualidade do ser humano e de seus desejos, que devem seguir conforme os padrões da burguesia.
    Embora seja notável que o desenvolvimento do intercâmbio universal, gera-se uma melhoria na comunicação entre países que antes nunca imaginaram essa possibilidade, formalizando um conhecimento gradativo das culturas de outros países, que nunca tiveram a oportunidade de se manifestar perante o mundo, o modernismo acaba por fazer com que o “efeito dominó” tenha probabilidades maiores de acontecer, pois se um país chegar a entrar em crise, os que dependiam de algum artefato que aquele país produzia, entrará em crise também, tendo que analisar novas alternativas.
    O quadro “Operários” de Tarsila do Amaral concretiza o intercâmbio cultural citado por Karl Marx, sendo que a pintura mostra várias etnias em uma indústria, ou seja, todos os trabalhadores se centralizaram nas indústrias, para o mesmo trabalho, evidenciando a perda da individualidade e de costumes, que tornou todos os trabalhadores como simples peças de uma engrenagem que tinha que se manter funcionando a todo custo para suprir a demanda das necessidades.
    Concluindo, ambas as obras, a de Karl Marx e de Tarsila do Amaral exemplificam de forma bem clara o poder da burguesia e da modernidade, que são capazes de colocar o ser humano em uma forma presa e fechada, padronizada, não permitindo outras visões além desta que é citada nas obras.

  145. Hélen Veríssimo Nº12 3ºC diz:

    Com o modernismo veio o desenvolvimento das industrias e também a divisão da sociedade em classes sociais, foi o nascimento da burguesia. Todo o mundo estava se interligando, esse é o efeito que essas mudanças causaram na sociedade. Na citação, assim como, no quadro podemos ver que esses aspectos estão representados pelas várias pessoas reunidas, porém não são todos iguais nota-se que são de varias etnias, essas pessoas representam o proletariado, todo o mundo, agora dependendo um do outro. As fabricas representam a burguesia, a produção e industrialização moderna.
    Porém Marx acreditava que com a máquina as pessoas teriam mais tempo para se dedicar a família e a aspectos culturais, mas foi totalmente o contrario que ocorreu, com a chegada das maquinas as pessoas passaram a produzir mais facilmente, rapidamente, mas produziam maior quantidade. Assim continuavam sem tempo para se dedicar a outras atividades que não fosse o trabalho.

  146. Jennifer Proêncio N°17 - 3°A Bentão diz:

    Karl Marx faz uma relação entre a modernidade com o quadro Tarsila do Amaral, sendo que este retrata de fato a modernidade, declarando as diferentes raças e etnias que ocupavam as áreas rurais, porém, com o crescimento das cidades, deu-se início as máquinas e, assim, as áreas urbanas se tornaram prioridade, portanto, como modo de sobrevivência, as pessoas abandonavam suas próprias culturas e modo de viver, para se integrarem a sociedade, e ao mesmo tempo, ao modernismo.

  147. Gabriel Mendes , N°09 - 3°C Etec Bento Quirino diz:

    Marx em sua citação diz que : ” [...] No lugar do antigo isolamento de regiões e nações auto-suficientes, desenvolvem-se um intercambio universal e uma universal interdependência das nações. [...] ” demonstrando que a modernização abriu um imenso campo cultural e de comunicação ,possibilitando que lugares isolados possam se ” interagir/comunicar ” com as partes restantes do mundo.
    O quadro de Tarsila do Amaral também se relaciona com a citação de Marx ,pois visualizamos que existem diversas pessoas de diferentes regiões e etnias, que devem trabalhar nas indústrias que aparecem ao fundo do quadro, no qual são comandados pela classe social burguesa, e que se tornaram um dos meios mais importante da globalização.

  148. Letícia Gabrielle Presoto Nº 18 3º C ETEC BENTO QUIRINO diz:

    Karl Marx era um pensador da época modernista. Em sua citação, na passagem: “A estreiteza e a unilateralidade nacionais tornam-se cada vez mais impossíveis” temos um exemplo de como o capitalismo estava avançando. Em sua citação, Marx defende a tese de que quanto mais a tecnologia avançava, maior eram as possibilidades de trabalho. Isso é uma contradição, pois a tecnologia facilita a vida humana. A comunicação estava avançando, o mundo portanto, estava sendo globalizado. Cada vez mais a burguesia implantava seu modo de vida, ou seja: a busca pelo lucro, e cada vez mais o mundo seguia essa doutrina.
    O quadro de Tarsila do Amaral liga-se à citação de Marx. Em seu quadro estão expressos rostos de pessoas de diferentes lugares sendo eles operários. Logo atrás, vemos fábricas que indicam o desenvolvimento capistalista comandado pela classe social burguesia, onde estes operários trabalham. Vindo de diferentes lugares, o quadro mostra como há a universalização dos povos, pois, em uma mesma indústria, trabalhavam-se pessoas de diferentes lugares. Portanto, assim como Marx afirmava que estava ocorrendo o universalismo entre os povos, Tarsila representou perfeitamente em um quadro.
    Na época de Marx, o mesmo pregava que a máquina iria fazer o trabalho do homem.Já na época de Tarsila mostra que o que Marx pregava estava totalmente errado porque o homem iria ser ainda explorado.
    Contudo, tanto a citação de Marx quanto o quadro de Tarsila do Amaral estão claramente ligados ao modernismo, pois mostram a desigualdade social, o surgimento do capitalismo, surgimento da burguesia entre outros ítens que ligam a esses propostos.

  149. Geovana nº 16 2°B ETECAP diz:

    Na obra conseguimos observar a industria ao fundo e diversos rostos com diferentes culturas e raças de diversos locais do mundo.Impelida pela necessidade de mercados sempre novos, a burguesia invade o mundo,explora em toda parte, criar vínculos em toda parte. Por isso a mistura de diferentes rostos no quadro pois em todo lugar esta havendo essa mudança. Karl Marx destaca a universalização de culturas, a mistura de povos, a necessidade de novos conhecimentos e produtos. Já no quadro da Tarsila podemos interpretar esse misto de rostos como mesmo estando em diferentes locais do munto trabalham da mesma forma para conseguir o seu sustento e sobrevivência.

  150. Ciro Ruiz Vicente da Silva, N°07 - 3°C diz:

    Na citação de Karl Marx é possível identificar dois trechos que falam sobre essa universalização, são eles: “[...] desenvolvem-se um intercambio universal e uma universal interdependência das nações.”; “[...] a burguesia arrasta para a torrente da civilização todas as nações, até mesmo as mais bárbaras.”
    Estes dois trechos mostram de forma bem clara o que é possível ver na obra de Tarsila do Amaral, onde a burguesia é representada pela fábrica ao fundo, e os trabalhadores com as mais diferentes nacionalidades e em grande numero, fato qual que tem tudo a ver com o Karl Marx diz sobre o intercambio universal e como a burguesia teria o poder de arrastar massas.
    Entretanto, Karl Marx vivia pensando com outra expectativa, que era a de que haveria menos contrastes como esse e que teríamos mais tempo para nos dedicar à cultura e ao esporte, já na época de Tarsila, vemos isso de forma diferente, as pessoas trabalham mais, há mais desigualdade e toda a cultura da época é baseada nisso, o Movimento Modernista Brasileiro, de Tarsila do Amaral, mostrava muito temáticas sociais e um bom exemplo disso é esta própria tela feita por ela.

  151. Adair A. Silva Neto, nº 01 - 3º A diz:

    No quadro de Tarsila do Amaral, há pessoas de várias etnias, ou seja, de várias partes do mundo. Todos são obrigados pela burguesia a seguir seu modo de produção.

    Adair A. Silva Neto, nº 01 – 3º A
    Etec Bento Quirino

    • Caio Maião Nº06 3ºA - Bentão diz:

      No quadro de Tarsila do Amaral, pessoas de varias raças estão todas juntas e ao fundo há uma fabrica, o que remete ao sistema capitalista que Marx tanto criticava. Esse sistema obrigava pessoas de diferentes etnias à produção em massa nas fabricas, o que é a principal ideologia capitalista.
      Caio Maião Nº06
      3ºA

Deixar o seu comentário.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s